Publicidade


      Red Apple Cosméticos

      CPV - Centro Paranaense da Visão

      Hospital Cardiológico Costantini

      Hotel Carimã

Twitter @blogdojota


  • 07mar

    FOLHA ONLINE

    Em nota divulgada neste sábado em seu site, o Bancoop (Cooperativa Habitacional dos Bancários de São Paulo) negou a existência de um esquema de desvio de verba, conforme apontou reportagem da revista “Veja” desta semana.

    Ontem, o promotor José Carlos Blat, do Ministério Público de São Paulo, pediu a quebra de sigilo bancário e fiscal do tesoureiro do PT, João Vaccari Neto, (foto) ex-diretor financeiro e ex-presidente da cooperativa. Blat também pediu o bloqueio das contas da cooperativa.

    Segundo reportagem, o promotor analisou mais de 8.000 páginas de documentos do processo que envolve o desvio de recursos e concluiu que a direção da Bancoop movimentou R$ 31 milhões em cheques para a própria cooperativa. Esse tipo de movimentação é uma forma de não revelar o destino do dinheiro.

    “A matéria é extremamente fantasiosa quanto aos fatos, como demonstra a informação de que teriam sido emitidos, para saque em dinheiro, cheques nominais à própria Bancoop em valor total superior a R$ 31 milhões”, diz a nota da cooperativa.

    “Na verdade, há uma intensa movimentação bancária entre contas da própria Bancoop, já que cada empreendimento da cooperativa, por força inclusive do Acordo Judicial celebrado com o Ministério Publico, tem conta bancária específica, sendo necessária a transferência de recursos utilizados para o custeio das respectivas obras”, argumenta.

    Vaccari Neto será o responsável pelas finanças da campanha da ministra Dilma Rousseff (Casa Civil) à Presidência da República. A reportagem não localizou o petista para comentar as suspeitas do Ministério Público.

    A Promotoria já investiga o esquema de desvio de recursos da Bancoop desde junho de 2007. O esquema teria beneficiado campanhas eleitorais do PT e diretores da cooperativa. A fraude teria prejudicado cerca de 3.000 mil mutuários da entidade e causado um rombo financeiro de aproximadamente R$ 100 milhões.

    Segundo a denúncia, dirigentes da cooperativa teriam criado empresas fantasmas que prestavam serviços superfaturados e faziam doações não contabilizadas ao PT. Para Blat, há indícios de caixa dois, uma vez que os recursos repassados ao partido não constam dos registrados da Justiça Eleitoral. Tanto a legenda, quanto a cooperativa negam as acusações.

    Publicado por jagostinho @ 13:02



Os comentários NÃO representam a opinião do Blog do Jota Agostinho. A responsabilidade é EXCLUSIVA do autor da mensagem, sujeito à legislação brasileira.

4 Respostas

WP_Cloudy
  • teixeira Disse:

    esse vaccari é pinta manjada. Demorou para a casa cair. Claro que o PT vai negar e Lula vai dizer que não sabia de nada.E fica tudo como está. Eta Brasil !!!

  • darci Disse:

    Uma hora o povo vai se ligar. É a maior roubalheira . Nunca na história desse país….

  • leal Disse:

    com que sede o PT foi ao pote, hein? É só remexer que tem muito mais.

  • petista Disse:

    já viram a folha corrida do promotor que fez a denúncia? Isso é só para tentar derrubar a Dilma. Mas não conseguirão !!!

Deixe um comentário

Por favor, atenção: A moderação de comentário está ativa e pode atrasar a exibição de seu comentário. Não há necessidade de reenviar o comentário.