Publicidade


      Red Apple Cosméticos

      CPV - Centro Paranaense da Visão

      Hospital Cardiológico Costantini

      Hotel Carimã

Twitter @blogdojota


  • 28mar

    PORTAL RPC

    Quatro parentes do procurador-geral de Justiça, Olympio de Sá Sotto Maior Neto, trabalham

    Irmão Severo:" 45 anos de dedicação"

    atualmente na Assembleia Legislativa do Paraná.

    O irmão, Severo Olympio Sotto Maior, é funcionário efetivo e tem um cargo de chefia: é diretor legislativo da Casa.

    A mulher de Severo e dois filhos são servidores comissionados (não concursados). Todos aparecem na lista de funcionários do Legislativo divulgada em abril de 2009.

    Olympio reconhece o parentesco com servidores da Assembleia. Mas afirma que isso não prejudica seu trabalho.

    “Meu pai foi servidor. Dedicou a existência à Assembleia. E meu irmão tem 60 anos e trabalha lá desde os 15 anos. Tem 45 anos de dedicação”, diz o procurador-geral.

    “O fato de o meu pai ter sido funcionário me determina como dever de honra de que todas as medidas sejam tomadas com o maior rigor possível. É uma homenagem à memória do meu pai e à dedicação do meu irmão. O Severo não faz parte de nenhum grupo que pratica irregularidades.”

    Olympio ainda critica a possibilidade de esse fato desqualificar o MP. “O que eu não gostaria, neste momento em que o MP já vem cumprindo com o seu dever, é que se queira desqualificar o MP a partir de um fato que não tem nada a ver.

    Ele [Severo] é servidor antes de eu ser promotor. É um servidor reconhecidamente dedicado e cumpridor de suas funções.”

    Sobre a presença de outros parentes na Assembleia, Olympio destaca que a cunhada é funcionária de carreira e que os dois sobrinhos trabalham na Assembleia há muito tempo.

    “Eles não foram nomeados pelo meu irmão [que tem cargo de chefia, o que poderia caracterizar nepotismo, proibido pelo Supremo Tribunal Federal].

    Foram nomeados pela presidência para atuar em outros setores. O Richard (um de seus sobrinhos) trabalha lá há quase 20 anos. O entendimento da Assembleia é de que não é nepotismo, mas esse é um tema para ser discutido juridicamente. Eu não oriento o promotor que cuida do procedimento de nepotismo e é preciso lembrar que a identificação de casos de nepotismo se deu por iniciativa minha.”

    Publicado por jagostinho @ 12:17



Os comentários NÃO representam a opinião do Blog do Jota Agostinho. A responsabilidade é EXCLUSIVA do autor da mensagem, sujeito à legislação brasileira.

2 Respostas

WP_Cloudy
  • jacob Disse:

    Acho que o promotor devia se declarar impedido de julgar. A parentada tá toda na ALEP. Ligeiros não?

  • melo Disse:

    Poe a policia federal e a justiça federal e pronto . Tira os coelhos da plantação de alfaces.

Deixe um comentário

Por favor, atenção: A moderação de comentário está ativa e pode atrasar a exibição de seu comentário. Não há necessidade de reenviar o comentário.