Publicidade


      Red Apple Cosméticos

      CPV - Centro Paranaense da Visão

      Hospital Cardiológico Costantini

      Hotel Carimã

Twitter @blogdojota


  • 08abr

    DIRETORIA DE COMUNICAÇÃO DA ASSEMBLEIA LEGISLATIVA DO PARANÁ

    NOTA OFICIAL

    Com relação às denúncias relativas à matéria publicada pelo Jornal Gazeta do Povo na edição desta quinta-feira, dia 8 de abril de 2010, sob o título “AL manteve morto no quadro de servidores por três anos”, a mesa diretora da Assembleia Legislativa do Estado do Paraná vem a público informar que:

    – o senhor Dirceu Pavoni foi nomeado em 13/06/2001 para exercer o cargo em comissão.

    – em 01/11/2002 o Sr. Pavoni foi exonerado do cargo.

    – em 03/05/2004 o senhor Dirceu Pavoni foi novamente nomeado para exercer o cargo em comissão.

    – em 31/10/2006 o Sr. Pavoni foi exonerado.

    Segundo apontam os registros funcionais, no período compreendido entre 03/05/2004 a 31/10/2006, os proventos do Sr. Pavoni foram depositados no Banco Itaú, Agência 2924, Conta 04023-7, através do CPF
    905.007.689-00.

    Diante dos fatos levantados o Presidente da Assembleia Legislativa
    encaminhou os referidos documentos para que o Ministério Público do
    Estado do Paraná investigue as possíveis irregularidades.

    ANALISANDO:- Nunca imaginei que veria isso. Que forma mais simplista de responder à uma denúncia. Cena surrealista. Alguém, morto e enterrado, é nomeado e recebe em conta bancária.  Alguém põe o dinheiro no bolso, por quase três anos, e a ALEP joga no colo do MP as providências “possíveis”.

    Imaginemos que essa lógica da mesa diretora da Assembleia é correta. Mas, daí, entramos em uma espiral sem fim, pois se esse procedimento é correto, então, também é correto dizer que nomear defunto é  fraude. E a mesa diretora  da época (qual era?) permitiu que isso acontecesse.

    Se o MP do Estado do Paraná concordar com a lógica apresentada precisa afastar a mesa diretora, pois quem é investigado não pode permanecer no cargo. E é a mesa atual, pois quem assume, tem o bônus e o ônus.

    O resto é empulhação.

    Ah!  Será que teremos mais notas oficiais a respeito das outras denúncias?

    EM TEMPO:   O que a Nota Oficial não informou:-

    – O CPF 905.007.689-00 é de Maria Pavoni, viúva de Dirceu. A conta mencionada na nota é dela.

    – Quem assinou a nomeação do morto, em 03/05/2004, foram : Hermas Brandão-presidente e Nereu Moura-secretário  da ALEP à epoca.

    – Dirceu Pavoni, se vivo estivesse, estaria trabalhando no gabinete do deputado Neivo Beraldin.

    – A viúva, pelo seu advogado, declarou hoje, que recebeu o dinheiro, mas protocolou um pedido de devolução dos valores atualizados, em torno de 23 mil reais. A Alep nega o recebimento deste protocolo.

    Publicado por jagostinho @ 18:45



Os comentários NÃO representam a opinião do Blog do Jota Agostinho. A responsabilidade é EXCLUSIVA do autor da mensagem, sujeito à legislação brasileira.

Uma resposta

WP_Cloudy

Deixe um comentário

Por favor, atenção: A moderação de comentário está ativa e pode atrasar a exibição de seu comentário. Não há necessidade de reenviar o comentário.