Publicidade


      Red Apple Cosméticos

      CPV - Centro Paranaense da Visão

      Hospital Cardiológico Costantini

      Hotel Carimã

Twitter @blogdojota


  • 25abr

    EFE

    O presidente do Paraguai, Fernando Lugo, promulgou esta noite o estado de exceção por 30 dias

    Os departamentos em exceção

    declarado hoje pelo Congresso em cinco departamentos do país para perseguir um grupo armado que mantém em vigilância o norte o país.

    O ministro do Interior, Rafael Filizzola, afirmou em entrevista coletiva que a medida “não altera a normalidade democrática do país” e que vai “se continuar trabalhando sob ordens judiciais como estabelece a Constituição nacional”.

    “É preciso distinguir do estado de exceção em democracia e do que foi o estado de sítio durante uma ditadura”, enfatizou o ministro em alusão ao regime de Alfredo Stroessner, que governou o país com mão de ferro entre 1954 e 1989.

    Filizzola, que participou de uma reunião de ministros com Lugo para planejar as primeiras ações dos militares, disse que nesta segunda-feira serão concretizados outros detalhes como a designação do chefe de um comando conjunto.

    Apesar de a medida reger em cinco departamentos do centro e do norte do país, Concepción, Amambay, Alto Paraguay, San Pedro e Presidente Hayes, a perseguição se centrará no primeiro, em cujas regiões de floresta o autodenominado Exército do Povo Paraguaio (EPP), de esquerda, se tornou forte nos últimos anos.

    O titular do Congresso, o senador opositor Miguel Carrizosa, disse que o chefe de governo recebeu “as ferramentas para neutralizar o EPP, que tanto dano está causando no norte do país, onde há temor, o povo não sabe quem vai ser a próxima vítima”.

    A tensão na região aumentou na quinta-feira (22) depois que um confronto entre fazendeiros e supostos combatentes do EPP deixou quatro pessoas mortas, incluindo dois brasileiros.

    EPP

    O EPP, suspeito de ter ligação com as Forças Armadas Revolucionárias da Colômbia (Farc), é acusado de ao menos quatro sequestros desde 2001, incluindo a captura de um importante fazendeiro que foi solto no começo deste ano.

    A última vez que uma medida similar foi adotada no Paraguai foi em 2002, por ocorrência de protestos violentos contra o governo do ex-presidente Luis González Macchi.

    Publicado por jagostinho @ 15:09



Os comentários NÃO representam a opinião do Blog do Jota Agostinho. A responsabilidade é EXCLUSIVA do autor da mensagem, sujeito à legislação brasileira.

2 Respostas

WP_Cloudy
  • samuel Disse:

    onde temn guerrilha é onde o povo está insatisfeito. Esse Lugo só sabe fazer filho. É um potente incompetente.

  • fagundes Disse:

    ué! mas esse bispo reprodutor não era o bam bam? Vai lá e come as guerrilheiras e acaba com os adversários.

Deixe um comentário

Por favor, atenção: A moderação de comentário está ativa e pode atrasar a exibição de seu comentário. Não há necessidade de reenviar o comentário.