Publicidade


      Red Apple Cosméticos

      CPV - Centro Paranaense da Visão

      Hospital Cardiológico Costantini

      Hotel Carimã

Twitter @blogdojota


  • 28jun

    Já tivemos muitas episódios inusitados em períodos eleitorais das sucessões  estaduais. Nem precisamos ir longe.

    Em 2006, nesta mesma época, das convenções dos partidos, quem não lembra da aliança entre PMDB de Requião e PSDB de Hermas Brandão, que já tinha até material de propaganda sendo distribuído, com Requião/Hermas, governador e vice.

    Mas, decisão vinda de Brasília, dos tucanos graúdos, mudou tudo. Até a indicação de Pessuti ao TCE foi suspensa.

    Mas neste ano, os irmãos Dias estão protagonizando a mais lenta agonia para diversos dirigentes de vários partidos.

    Num futuro bem próximo, ou estarão sendo exaltados como grandes estrategistas, ou grandes blefadores. Mas isto faz parte do jogo político.

    E é bom que se frise, que as cartas foram colocadas nas mangas dos dois, por gente que hoje reclama das indas e vindas, principalmente de Osmar.

    Afinal, os partidos que dependem de uma decisão do senador pedetista, tiveram quatro anos para formatar seus projetos de médio prazo e nada fizeram.

    Foram vazios em matéria de planejamento político. Pagam agora o preço. Não tem opções consistentes. Viraram reféns.

    Como PT e PMDB deixaram para a undécima hora, dia 30, quarta-feira, os acertos finais, o PDT/PR, que teria uma reunião no dia 29, também está informando que tudo ficou para quarta-feira.

    Mudou a sua data para que tudo, ou se encaixe, ou desmorone, no prazo fatal.

    O ministro Lupi do PDT nacional estará por aqui. Ele não consegue entender, como, em quatro reuniões em menos de 24 horas ,ainda não se tenha montado o palanque dos sonhos de Lula e Dilma no Paraná.

    Trará junto Dilma e Temer. Afinal, ele esbraveja, segundo soube-se por seus assessores mais próximos, porque não consegue engulir a desculpa de Osmar de que uma candidatura do irmão Álvaro a vice de Serra, criará um constrangimento familiar.

    Segundo ele, esta é uma situação que a oposição tem que resolver. O PDT e Osmar não tem nada com isso. Partidos e agrupamentos políticos não são feudos familiares.

    Lupi não se conforma, pois no senado federal, Álvaro sempre atacou duramente o Governo Lula e Osmar é da base do governo.

    Se fosse para ser assim, o raciocínio do Ministro é que os irmãos deveriam estar num mesmo partido, há muito tempo, fosse qual fosse.

    E já declarou mais de uma vez, que o povo não vota em vice. E Osmar, candidato a governador, enfrentará Beto Richa e não seu irmão Álvaro.

    E o Ministro lembra de várias ocasiões em que Osmar foi enfático ao afirmar que é homem de partido.

    Quem se auto denomina homem de partido, não pode, nesta hora, deixar na mão, centenas de prefeitos e milhares de vereadores, e simpatizantes e, ainda, vendo o adversário, Beto Richa, ser aclamado como governador.

    E com um detalhe importante. O Paraná está na única região do País, o Sul, onde Dilma ainda está atrás de Serra, nas pesquisas.

    Concluindo, Lupi vem à Curitiba , na quarta, para sacramentar o acordão. Quer por fim a argumentos sentimentalistas.

    E, também , porque ele tem certeza que Álvaro não emplaca a vice de Serra, e sendo assim, o único argumento de Osmar se evapora.

    Aguardemos.


    Publicado por jagostinho @ 09:09



Os comentários NÃO representam a opinião do Blog do Jota Agostinho. A responsabilidade é EXCLUSIVA do autor da mensagem, sujeito à legislação brasileira.

3 Respostas

WP_Cloudy

Deixe um comentário

Por favor, atenção: A moderação de comentário está ativa e pode atrasar a exibição de seu comentário. Não há necessidade de reenviar o comentário.