Publicidade


      Red Apple Cosméticos

      CPV - Centro Paranaense da Visão

      Hospital Cardiológico Costantini

      Hotel Carimã

Twitter @blogdojota


  • 02jul

    FOLHA.COM

    “O povo pode estar irritado [conosco]”, admitiu na principal TV estatal

    venezuelana o poderoso presidente da PDVSA, a estatal petroleira, em referência ao chamado “escândalo da comida vencida” que acossa o governo Hugo Chávez desde maio.

    Uma filial da PDVSA para distribuição de alimentos, a PDVAL está no centro da crise desde o encontro, no fim de maio, de ao menos 70 mil toneladas de alimentos vencidos ou podres.

    Anteontem à noite, Rafael Ramírez, que comanda a estatal petroleira e o Ministério de Energia e Petróleo, falou em comida “não adequada”. Admitiu que o caso afeta a imagem da PDVSA, motor da economia venezuelana.

    “A nós não interessa o reconhecimento da oligarquia, mas o reconhecimento do povo”, disse. “Esse povo pode estar irritado com o que aconteceu na PDVAL.”

    O caso é especialmente delicado porque Chávez realiza uma cruzada contra os especuladores e a indústria privada de alimentos, tidos como culpados pela inflação que acumula 14,2% até maio.

    Ramírez, um dos colaboradores mais antigos do governo Chávez, afirmou ainda que ele e a empresa são vítimas de “um linchamento político” devido às eleições legislativas de setembro.

    PERDA DE PODER

    O ministro já sente o peso do escândalo. A PDVAL, responsável em 2009 por importar 405 mil toneladas de comida, passou a responder à Vice-Presidência da República na semana passada.

    Desde a criação, em 2008, a filial é criticada por desvirtuamento de funções. A própria empresa admite problemas pelas novas funções.

    Além da PDVAL, há ainda a PDVSA agrícola e a Bariven, importadora de maquinário da indústria do petróleo que passou a importar comida –uma boa quantidade do Brasil e da Argentina.

    O escândalo envolve vários esquemas de corrupção e má gestão, segundo jornais e TVs antichavistas.

    Os importadores estatais comprariam demais para faturar com aluguéis de depósitos nos portos e venda de dólares no mercado paralelo, mais caro que o oficial.

    A polêmica tende a crescer porque Chávez baixou decreto que proíbe ambulantes de vender comida.

    É comum ver pequenos mercados ao ar livre oferecendo produtos que faltam no supermercado.

    Ramírez também enfrenta outra crise, no setor primordial de sua atuação: desde o fim de maio, uma mancha de petróleo cobre o lago Maracaibo, maior do país.

    O ministro admitiu ontem haver um vazamento diário de oito barris de petróleo, provocado, segundo ele, por “sabotadores”. Ele afirmou, no entanto, que a mancha já está sob controle.

    Publicado por jagostinho @ 11:33



Os comentários NÃO representam a opinião do Blog do Jota Agostinho. A responsabilidade é EXCLUSIVA do autor da mensagem, sujeito à legislação brasileira.

8 Respostas

WP_Cloudy

Deixe um comentário

Por favor, atenção: A moderação de comentário está ativa e pode atrasar a exibição de seu comentário. Não há necessidade de reenviar o comentário.