Publicidade


      Red Apple Cosméticos

      CPV - Centro Paranaense da Visão

      Hospital Cardiológico Costantini

      Hotel Carimã

Twitter @blogdojota


  • 03fev

    Estadão

    O novo ministro do Supremo Tribunal Federal (STF) Luiz Fux definirá o destino

    Fux - indicação de Sérgio Cabral, governador do Rio

    da Lei da Ficha Limpa.

    Com a votação empatada por 5 a 5 no STF, caberá a ele dar desfecho ao caso, definindo o rumo de políticos que poderiam ser eleitos, mas foram barrados pela Justiça Eleitoral.

    Fux nunca se manifestou sobre o assunto, que não passava pelo Superior Tribunal de Justiça (STJ).

    No entanto, pessoas que acompanham a trajetória do ministro, incluindo colegas de magistratura e advogados, arriscam que ele será contrário à possibilidade de fatos anteriores à aprovação da lei serem usados para impedir a candidatura de políticos.

    Se confirmado esse prognóstico, a aplicação da lei será esvaziada e só os condenados após a vigência da norma seriam barrados.

    Nesse caso, o Supremo teria de enfrentar outro imbróglio: tirar parlamentares do cargo para dar posse àqueles que foram barrados pela Lei da Ficha Limpa.

    A chegada do ministro também permitirá o julgamento de duas ações polêmicas de interesse direto de seu principal padrinho na campanha pela cadeira no STF, o governador do Rio, Sérgio Cabral (PMDB).

    A primeira pede o reconhecimento de direitos previdenciários de casais homossexuais.

    A segunda contesta a distribuição de royalties do petróleo.

    Na questão dos royalties, o governador afirma que a lei que definiu a distribuição pode causar impacto bilionário na economia do Estado.

    Segundo Cabral, os alegados prejuízos podem comprometer a oferta de serviços públicos, de implementação de infraestrutura e a geração de empregos.

    A lei, de 2010, permite a exploração do pré-sal pela Petrobrás, sem licitação.

    O governador do Rio também já se manifestou publicamente sobre os direitos de casais homossexuais.

    Cabral defende que o Supremo aplique o regime jurídico das uniões estáveis às uniões homoafetivas de funcionários públicos civis.

    Pressa

    Como os assuntos despertam muita discussão, o Supremo somente deverá julgá-los quando o quórum estiver completo, ou seja, após a posse do novo ministro, prevista para março.

    Ontem, a presidente Dilma Rousseff indicou Fux para a vaga aberta em agosto, com a aposentadoria de Eros Grau.

    Para tomar posse, o novo ministro terá de passar por sabatina na Comissão de Constituição e Justiça do Senado.

    Posteriormente, terá de ser aprovado pelo plenário da Casa.

    O presidente do STF, Cezar Peluso, disse ontem que iria pedir ao presidente do Senado, José Sarney (PMDB-AP), que acelere o processo de aprovação do nome de Fux, para que a Corte possa julgar os casos que demandam quórum completo.

    Publicado por jagostinho @ 14:29



Os comentários NÃO representam a opinião do Blog do Jota Agostinho. A responsabilidade é EXCLUSIVA do autor da mensagem, sujeito à legislação brasileira.

Uma resposta

WP_Cloudy
  • TARCÍSIO Disse:

    Vindo do Sergio Cabral e ainda por cima do PMDB só pode ser coisa ruim. Uma pena que Dilma se sujeite a estas pressões. Esperava mais independencia dela.

Deixe um comentário

Por favor, atenção: A moderação de comentário está ativa e pode atrasar a exibição de seu comentário. Não há necessidade de reenviar o comentário.