Publicidade


      Red Apple Cosméticos

      CPV - Centro Paranaense da Visão

      Hospital Cardiológico Costantini

      Hotel Carimã

Twitter @blogdojota


  • 04fev

    Agência Estado/Saúde

    Pesquisadores do Instituto Nacional de Saúde e Pesquisa Médica (Inserm, na sigla

    Salmão - rico em ômega-3

    em francês) e do Instituto Nacional de Pesquisa Agronômica (Inra, também em francês) e colaboradores espanhóis estudaram ratos alimentados com uma dieta pobre em ômega-3.

    Os cientistas descobriram que a redução dos níveis desses ácidos graxos teve efeitos negativos sobre as funções sinápticas e os comportamentos emocionais dos roedores.

    Os detalhes do trabalho estão disponíveis na versão online da revista Nature Neuroscience.

    Nos países industrializados, a alimentação tem sido empobrecida em ácido graxos essenciais, como ômega-3 e ômega-6, desde o início do século 20.

    Esses ácidos são lipídios “essenciais” porque o organismo não consegue produzi-los.

    Assim, devem ser fornecidos por meio dos alimentos, e seu equilíbrio é fundamental para manter em ordem as funções cerebrais.

    Olivier Manzoni, do Inserm, Sophie Laye, do Inra, e seus coautores levantam  a hipótese de que a desnutrição crônica durante o desenvolvimento intrauterino pode, na vida adulta, influenciar a atividade sináptica envolvida no comportamento emocional, desencadeando problemas como depressão e ansiedade.

    Para comprovar essa teoria, os pesquisadores estudaram ratos alimentados ao longo da vida com uma dieta desequilibrada em ômega-3 e ômega-6.

    Os cientistas descobriram que a deficiência de ômega-3 perturbou a comunicação neuronal específica, e os receptores de canabinoides, que desempenham um papel estratégico na neurotransmissão, sofrem uma perda completa de função.

    Essa disfunção neuronal foi acompanhada por comportamentos depressivos entre os animais desnutridos.

    Pelo menos duas estruturas envolvidas na sensação de recompensa (motivação e regulação emocional) foram prejudicadas: o córtex pré-frontal e o núcleo accumbens.

    Essas partes do cérebro contêm um grande número de receptores de canabinoides CB1R e importantes conexões funcionais entre si.

    Na conclusão, os autores dizem que seus resultados constituem os primeiros componentes biológicos de uma explicação para a correlação entre dietas pobres em ômega-3 e transtornos de humor como a depressão.

    Ômega-3

    O corpo humano não produz o ômega 3 e só obtém este ácido graxo através da ingestão de alimentos que sejam ricos desta gordura. As melhores fontes são os peixes.

    As espécies que possuem maior quantidade de ômega 3 são Atum, Arenque, Bacalhau, Cavala, Sardinha e Salmão.

    Além dos peixes, também são ricos em ômega-3 a semente de linhaça, castanhas, nozes, óleos vegetais (azeite, óleo de soja, canola), vegetais de folhas verdes escuro.

    Especialistas recomendam que o peixe seja consumido assado, cozido ou grelhado e nunca frito. Isto porque a fritura destrói o ômega-3.

    É recomendado ainda a ingestão de duas porções de peixe por semana complementado por outros alimentos que possuem ômega-3.

    Publicado por jagostinho @ 18:19



Os comentários NÃO representam a opinião do Blog do Jota Agostinho. A responsabilidade é EXCLUSIVA do autor da mensagem, sujeito à legislação brasileira.

Deixe um comentário

Por favor, atenção: A moderação de comentário está ativa e pode atrasar a exibição de seu comentário. Não há necessidade de reenviar o comentário.