Publicidade


      Red Apple Cosméticos

      CPV - Centro Paranaense da Visão

      Hospital Cardiológico Costantini

      Hotel Carimã

Twitter @blogdojota


  • 21fev

    Estadão/Com Reuters, AP, BBC Brasil e EFE

    O filho do líder da Líbia Muammar Kadafi, Saif Al-Islam, disse na noite deste

    Saif disse que vai lutar até o fim para manter o pai no poder

    domingo, 20, que as manifestações no país correm o risco de virar uma guerra civil, em meio aos confrontos sangrentos que pedem a saída do ditador, há 41 anos no poder.

    Em pronunciamento na TV estatal, ele falou que seu pai continua no país, protegido pelas Forças Armadas, e que não vão desistir.

    “Nós vamos lutar até o último minuto, até a última munição e até que o último homem estivesse de pé. O Exército está e vai continuar fiel (a meu pai)”.

    “Não somos a Tunísia nem o Egito”, também afirmou ele, referindo-se aos protestos que derrubaram Ben Ali e Hosni Mubarak do poder nos países vizinhos e que inspiraram a população líbia.

    Saif negou que hajam centenas de mortos nos últimos dias e que a mídia “exagera” a situação.

    O filho de Kadafi assumiu que o Exército e as forças de seguranças erraram na repressão de manifestantes, devido a seu pobre treinamento.

    Mais cedo, ele disse que manifestantes haviam tomado algumas bases militares, armas e tanques, e advertiu que uma guerra civil iria acabar com a riqueza petrolífera do país.

    Segundo ele, há relatos de que soldados teriam sido atacados por pessoas “sob a influência de drogas”.

    O filho de Kadafi garantiu que a Líbia segue em direção ao “grande caos” porque um movimento separatista estava ameaçando a unidade nacional, já que existe a intenção de dividir o país em vários pequenos estados islâmicos, mas que dezenas de milhares de cidadãos vão a Trípoli em defesa de seu pai.

    “A Líbia é feita de tribos e não de partidos políticos. Não queremos uma guerra civil.”

    Saif Al-Islam Kadafi disse ainda que o Congresso Popular Geral vai se reunir neste segunda-feira para discutir uma agenda “clara” de reformas e adiantou que o governo vai “aumentar os salários” dos funcionários.

    Ele falou que o regime está disposto a retirar algumas restrições e começar a discutir reformas na Constituição, inclusive relativas à comunicação social, no que ele descreveu como uma “iniciativa nacional histórica”.

    Protestos. Mais cedo, manifestantes voltaram a tomar as ruas de Trípoli, a capital líbia, e Benghazi, a segunda cidade mais importante do país, pedindo a saída do ditador do poder.

    Testemunhas disseram ter ouvido barulho de tiros na região da Praça Verde, na região central da capital e que manifestantes antigoverno atearam fogo em veículos. A polícia e forças de segurança tentavam dispersar os grupos com gás lacrimogêneo.

    Ainda conforme relato de testemunhas, a população que está nas ruas gritam “Alahu Akbar” (Deus é grande) e arremessam pedras contra cartazes e faixas com imagens de Kadafi.

    EM TEMPO :- A rede de televisão Al-Jazeera informou que o ditador da Líbia, Muamar Kadafi, deixou o país em direção à Venezuela, de acordo com a agência de notícias chinesa Xinhua.

    A possível fuga de Kadafi ocorre após uma onda de protestos contra o governo do ditador que está há 41 anos no poder. As informações são da Dow Jones.


    Publicado por jagostinho @ 00:55



Os comentários NÃO representam a opinião do Blog do Jota Agostinho. A responsabilidade é EXCLUSIVA do autor da mensagem, sujeito à legislação brasileira.

Uma resposta

WP_Cloudy

Deixe um comentário

Por favor, atenção: A moderação de comentário está ativa e pode atrasar a exibição de seu comentário. Não há necessidade de reenviar o comentário.