Publicidade


      Red Apple Cosméticos

      CPV - Centro Paranaense da Visão

      Hospital Cardiológico Costantini

      Hotel Carimã

Twitter @blogdojota


  • 25fev

    Do Site do Senador Roberto Requião

    O senador Roberto Requião votou na proposta de se fixar o salário mínimo nacional em 560 reais, na sessão do Senado desta quarta-feira, 23, opondo-se aos 545 reais da moção governo federal, por fim aprovada pela maioria dos votos.

    O senador paranaense foi um dos poucos parlamentares de partido da base do governo que votou contra a proposta oficial. O seu voto já havia sido antecipado desde sua posse no Senado.

    Requião foi um dos oradores da sessão, defendeu o salário de 560 reais e disse que a discussão do reajuste estava se dando sob premissas equivocadas, já que os fundamentos da política econômica do governo federal não foram questionados.

    Para Requião, a proposta do governo foi extremamente tímida e não explorou todas as possibilidades de se buscar um índice mais elevado.

    “Na verdade, o índice proposto reflete a política econômica do governo federal, centrada em pressupostos que mais favorecem os rentistas que os trabalhadores”.

    Segundo Requião, caso o governo federal temesse que um índice maior pudesse aumentar a demanda e daí dar fôlego à inflação, que aumentasse o depósito compulsório dos bancos, fórmula adequada para enxugar a liquidez.

    Além da contenção da expansão do crédito consignado.

    O senador afirmou ainda que a falta de investimentos em infra-estrutura, privados e públicos, e a ausência de uma política industrial nacional fazem com que todo pequeno aumento de demanda provoque o aumento da inflação.

    “Em vez de corrigir os problemas estruturais do desenvolvimento brasileiro, o governo pune o trabalhador, comprimindo os seus ganhos”.

    Requião criticou também a desvalorização do dólar,”que permite a entrada no país de produtos norte-americanos, japoneses e chineses, desindustrializando o Brasil”.

    A política de juros (“os mais altos do planeta”), a alta de impostos e o favorecimento ao capital financeiro foram outros pontos citados por Requião que, segundo ele, precisam ser revistos e reformados.

    Luzias e saquaremas

    Ironizando as “posições paradoxais” de hoje do PSDB e do PT, Requião citou o historiador Oliveira Vianna, para quem não havia nada mais parecido com um “saquarema” do que um “luzia” no poder.

    Vianna referia-se a disputa entre liberais e conservadores no Segundo Império, que se sucediam no governo e acabavam defendendo posições diversas das que tinham quando na oposição.

    Publicado por jagostinho @ 08:28



Os comentários NÃO representam a opinião do Blog do Jota Agostinho. A responsabilidade é EXCLUSIVA do autor da mensagem, sujeito à legislação brasileira.

Uma resposta

WP_Cloudy

Deixe um comentário

Por favor, atenção: A moderação de comentário está ativa e pode atrasar a exibição de seu comentário. Não há necessidade de reenviar o comentário.