Publicidade


      Red Apple Cosméticos

      CPV - Centro Paranaense da Visão

      Hospital Cardiológico Costantini

      Hotel Carimã

Twitter @blogdojota


  • 08abr

    Assessoria de Comunicação de Gleisi Hoffmann/Débora Matos

    As listas preordenadas ou fechadas no sistema eleitoral deverão ser constituídas com a participação de 50% de mulheres e 50% de homens.

    Essa proposta, de autoria da bancada feminina no Senado, foi aprovada nesta quinta-feira (07/04) durante a última reunião da Comissão de Reforma Política.

    Antes do início das discussões, a vice-presidente do Senado, Marta Suplicy (SP), articulou com as senadoras Gleisi Hoffmann (PT-PR), Ana Rita Esgário (PT-ES), Ana Amélia (PP-RS), Lúcia Vânia (PSDB-GO), Vanessa Graziottin (PCdoB-CE) e o presidente da comissão, Francisco Dornelles (PP-RJ), a inclusão no texto do projeto de Lei a palavra “alternância” de homens e mulheres na lista preordenada.

    No texto aprovado, entre três opções – manter o sistema atual, um candidato a cada dois nomes da lista preordenada e um candidato de cada sexo a cada três nomes da lista preordenada – as senadoras conseguiram estabelecer não apenas a alternância entre homens e mulheres na lista, mas garantiram a presença de 50% de mulheres, uma bandeira do Partido dos Trabalhadores.

    Atualmente, a Lei Eleitoral determina aos partidos o cumprimento do percentual de 30% de gênero na composição das chapas.

    Para a senadora Gleisi Hoffmann, hoje foi um dia importante para a participação das mulheres na política.

    “Essa medida vai garantir que a representatividade da mulher no Parlamento tenha um crescimento significativo. Muitas mulheres têm vontade de participar do processo eleitoral, mas não têm condições, estrutura partidária, recursos ou sequer estímulo do partido para que isso aconteça. É impossível ter igualdade de representação se não tivermos condições. Acredito que essa iniciativa vai dar oportunidade de disputar de forma igual os cargos públicos”, diz.

    A senadora lembra que em países que já adotam esse sistema, como Costa Rica, Chile e Argentina, a participação da mulher é visivelmente maior porque elas têm mais condições.

    “Agora, esperamos que o Congresso mantenha a decisão da Comissão Especial. Vamos trabalhar muito para que seja aprovada”, garante.

    Ao declarar o fim dos trabalhos da comissão especial, o senador Francisco Dornelles comunicou que nos próximos dias divulgará as propostas aprovadas.

    Ele e os integrantes da comissão vão levar esse resultado ao presidente do Senado, José Sarney (PMDB-AP) e, se for aprovado, a comissão terá mais 30 dias para adequar as propostas às normas legislativas.

    Publicado por jagostinho @ 10:27



Os comentários NÃO representam a opinião do Blog do Jota Agostinho. A responsabilidade é EXCLUSIVA do autor da mensagem, sujeito à legislação brasileira.

2 Respostas

WP_Cloudy
  • Míriam Disse:

    Isso é bom para que haja um equilíbrio de forças e energias. Retomando a história da humanidade , o começo era matriarcal, e, com o tempo inverteu , tornando-se patriarcal . Houve , então, um desequilíbrio de forças em muitas culturas , por longos períodos , com isso , o descontentamento e a submissão. Embora ainda ocorra em algumas sociedades , o mundo não mais se permite uma unilateralidade . Há de se ter em mente que as oportunidades devem se igualar . O mundo mudou , a vida é outra. Está mais do que provado que razão e emoção devem caminhar juntas , pois uma aprende e completa a outra.

  • tony Disse:

    Esta reforma política não passa de pura enganação, não é colocando mais ou menos mulheres, é que vamos melhorar o nível dos nossos políticos. E o voto facultativo, passa ou não passa? Tony

Deixe um comentário

Por favor, atenção: A moderação de comentário está ativa e pode atrasar a exibição de seu comentário. Não há necessidade de reenviar o comentário.