Publicidade


      Red Apple Cosméticos

      CPV - Centro Paranaense da Visão

      Hospital Cardiológico Costantini

      Hotel Carimã

Twitter @blogdojota


  • 30jun

    UOL/COMPORTAMENTO

    Tristeza não é depressão, mas muita gente está transformando esse sentimento tão comum em doença.

    Quem não conhece, nos dias de hoje, uma pessoa deprimida? Segundo a Organização Mundial da Saúde (OMS), a depressão já é a principal causa de incapacidade de trabalhar em pessoas que têm entre 15 e 44 anos.

    É claro que a doença atinge muita gente, mas é importante saber diferenciar um caso e outro. Afinal, ficar triste é natural, faz parte da vida e não precisa de tratamento médico.

    No livro “A Tristeza Perdida – Como a Psiquiatria Transformou a Depressão em Moda” (Editora Summus), os autores Allan V. Horwitz e Jerome C. Wakefield levantam a questão, que teve início em 1980, quando a Associação Americana de Psiquiatria lançou uma nova versão do manual de diagnósticos, que hoje está na quarta versão.

    Segundo os autores, o diagnóstico para distúrbios mentais se tornou generalista. Se alguém apresentar cinco sintomas de uma lista, é considerado depressivo.

    Para eles, no entanto, os médicos não se preocupam em questionar as circunstâncias.

    Dessa forma, a tristeza pode ser encarada como uma doença, que precisa ser tratada com antidepressivos, dando a impressão perigosa de que os medicamentos são a solução para todos os males.

    A tristeza é um sentimento natural e espontâneo, parte inerente da condição humana.

    É uma resposta normal às frustrações e perdas, como uma demissão no emprego, o fora do namorado, uma discussão, entre inúmeros motivos.

    O tempo que a pessoa ficará triste depende da importância do fato. No entanto, ela é passageira.

    A depressão pode surgir até sem razão específica.

    O indivíduo se sente infeliz na maior parte do tempo, torna-se mais ansioso ou irritado do que o normal, perde a capacidade de apreciar situações prazerosas, deixa de conviver com amigos e familiares, apresenta perda de concentração, pode ter ganho excessivo de peso e sentir dores pelo corpo.

    Nesse caso, é preciso procurar um médico. O quadro requer tratamento, diferentemente da tristeza -um sentimento importante e que precisa ser vivido.

    Publicado por jagostinho @ 18:06



Os comentários NÃO representam a opinião do Blog do Jota Agostinho. A responsabilidade é EXCLUSIVA do autor da mensagem, sujeito à legislação brasileira.

2 Respostas

WP_Cloudy
  • elias glaucio Disse:

    Muito bom,a maioria da populaçao nao sabe diferenciar uma coisa da outra.

  • MÍRIAM Disse:

    SÓ UM MÉDICO ESPECIALISTA PODERÁ DETECTAR QUANDO TRATA-SE DE TRISTEZA OU DEPRESSÃO.

    OS TEXTOS DA INTERNET SÃO SUPERFICIAIS E PERMITE, MUITAS VEZES , QUE AS PESSOAS SE ACOMODEM E NÃO PROCUREM RECURSOS.

    CRIANÇA TAMBÉM APRESENTA SINAIS DE DEPRESSÃO, O QUE MUITAS VEZES FAZ COM QUE OS PAIS CONFUNDAM COMO APATIA ,PREGUIÇA OU TRISTEZA. (a depressão tem caráter genético e pode vir pela falta de serotonina ou lítio)

Deixe um comentário

Por favor, atenção: A moderação de comentário está ativa e pode atrasar a exibição de seu comentário. Não há necessidade de reenviar o comentário.