Publicidade


      Red Apple Cosméticos

      CPV - Centro Paranaense da Visão

      Hospital Cardiológico Costantini

      Hotel Carimã

Twitter @blogdojota


  • 12ago

    UOL/ESPORTE

    Sempre polêmico, Maradona assumiu recentemente o comando do time árabe Al Wasl

    Se por um lado o ídolo argentino Diego Maradona atualmente tem um desafio diferente pela frente, no comando do Al Wasl, dos Emirados Árabes, por outro o ex-jogador mostrou que a língua continua afiada como sempre.

    O agora treinador deu uma polêmica entrevista para uma revista argentina, na qual pede com todas as letras a saída de Joseph Blatter da Fifa e faz questão de reforçar o seu apoio e admiração ao líder cubano Fidel Castro e ao seu “ídolo” Hugo Chávez, presidente da Venezuela.

    Ao relembrar os recentes escândalos de corrupção que assolaram a Fifa, Maradona pediu a renúncia imediata de Blatter.

    “(Ele) tem que sair (da presidência da Fifa) para que a governem os jogadores de futebol, os que realmente sabem da necessidade urgente de ter Mundiais sem suas políticas e sem compra de votos”, afirmou o ex-jogador à revista La Garganta Poderosa.

    Em uma extensa entrevista concedida à publicação, que dá voz às comunidades de bairros pobres de Buenos Aires, Maradona seguiu disparando críticas.

    Outro alvo foi o presidente da AFA (Associação do Futebol Argentino), Julio Grondona, assim como o presidente norte-americano Barack Obama, que entrou na pauta quando o ídolo argentino expôs suas posições políticas.

    Conhecido pela admiração que tem por Fidel, ele o chamou de “pai de todas as revoluções” e ainda defendeu o regime cubano.

    “Hoje o planeta está morrendo de fome e há 14 milhões de africanos que não têm um pedaço de pão, mas dizem que Fidel é um filho da p… porque os cubanos comem uma xícara de arroz, comem o pão. Cuba é um exemplo a seguir”, decretou Maradona.

    Já sobre o “ídolo” político Chávez, o ex-jogador desejou saúde para que ele possa superar o câncer.

    “Que Deus lhe dê vida suficiente para que o projeto que tem com Fidel possa continuar e que possa seguir lutando contra o grande poder dos Estados Unidos”, disse Maradona, que ainda criticou a política de imigração norte-americana e comparou a AFA a um “museu”, pela idade avançada de seus dirigentes.

    Publicado por jagostinho @ 16:41



Os comentários NÃO representam a opinião do Blog do Jota Agostinho. A responsabilidade é EXCLUSIVA do autor da mensagem, sujeito à legislação brasileira.

Deixe um comentário

Por favor, atenção: A moderação de comentário está ativa e pode atrasar a exibição de seu comentário. Não há necessidade de reenviar o comentário.