Publicidade


      Red Apple Cosméticos

      CPV - Centro Paranaense da Visão

      Hospital Cardiológico Costantini

      Hotel Carimã

Twitter @blogdojota


  • 15ago

    GAZETA DO POVO

    O ex-deputado Luiz Fernando Ribas Carli Filho é acusado de duplo homicídio com

    René Dotti faz parte do trio de defesa do ex-deputado Carli Filho

    dolo eventual – quando se assume o risco de produzir o resultado.

    Pela primeira vez, seus três advogados René Dotti, Roberto Brzezinski Neto e Gustavo Scandelari, descrevem o andamento do trabalho e a versão deles para os fatos.

    Eles defendem a tese de que o acidente não foi ocasionado por uma falha do ex-deputado, mas pelo fato de o veículo em que estavam os jovens Gilmar Rafael Souza Yared e Carlos Murilo de Almeida – mortos na ocasião – não ter respeitado uma via preferencial.

    Eles usam esse argumento para tentar reverter a decisão do Tribunal de Justiça do Paraná (TJ-PR) de mandar o ex-deputado a júri popular.

    Na última quinta-feira, eles protocolaram no TJ os recursos extraordinário e especial ao Supremo Tribunal Federal (STF) e ao Superior Tribunal de Justiça (STJ), respectivamente.

    Agora, caberá ao vice-presidente do TJ-PR avaliar os recursos para que eles sejam encaminhados a Brasília, o que vai definir se Carli Filho vai ou não a julgamento popular.

    O acidente ocorreu no dia 7 de maio de 2009, entre meia-noite e 1 hora da manhã, quando os semáforos estavam apenas com o sinal amarelo de alerta piscando.

    Carli Filho seguia pela Rua Monsenhor Ivo Zanlorenzi com um automóvel Passat e bateu contra o Honda Fit, onde estavam os dois jovens.

    O Fit estava na Rua Paulo Gorski e fez uma conversão à esquerda na Rua Monsenhor Ivo Zanlorenzi (via rápida), quando foi atingido pelo Passat.

    Confira os principais trechos da entrevista exclusiva para a Gazeta do Povo:

    Causa do acidente

    A defesa de Carli Filho defende a tese de que o ex-deputado estava na preferencial no momento do acidente.

    “Eu acho que o primeiro aspecto, que é incontestável, é que a preferência de passagem era dele [Carli Filho]. Quando o sinal é intermitente, tem uma regra de trânsito específica que diz que cabe àquele que vem da direita a preferência de passagem”, diz Brzezinski.

    Segundo o advogado, uma testemunha, que também trafegava pela Rua Paulo Gorski no mo­­men­­to do acidente, afirmou que viu o carro do ex-deputado com faróis xenon se aproximando e por esse motivo não cruzou a Rua Ivo Zanlorenzi.

    A defesa ainda afirma que um perito confirmou que o motorista do Honda Fit tinha condições de perceber a aproximação do veículo Passat.

    Para Scandelari, culpar o ex-deputado “é como culpar pelo acidente a pessoa que estava no sinal verde e não a que estava no sinal vermelho”.

    “Quem é o responsável pelo acidente? Não é quem tinha bebido. Não é quem estava em suposto excesso de velocidade. Não é quem era deputado, quem tinha carro importado. É quem violou a via preferencial”, avalia Dotti.

    Velocidade excessiva

    Brzezinski também lembra que, logo após o acidente, alguns veículos da imprensa divulgaram que um policial do Siate teria visto o velocímetro do veículo de Carli travado nos 190 km/h.

    Segundo o advogado, o policial militar do Siate foi ouvido em juízo e teria desmentido a publicação. De acordo com Brzezinski, ele falou: “Doutor, isso é mentira, eu vi o velocímetro e estava zerado”.

    CNH com pontos excedidos

    Para a defesa, “isso é uma questão administrativa e a causa do acidente não foi essa”. Segundo Brzezinski, uma pessoa que dirige sem carteira está cometendo uma infração administrativa, mas não pode ser culpada por infringir uma regra de trânsito.

    Scandelari ainda destaca que a mesma situação vale para uma pessoa que dirige embriagada.

    Eles ainda defendem que o deputado não estava com a carteira de habilitação suspensa e, se havia a suspensão, ele não foi comunicado. Brzezinski não soube informar se Carli Filho voltou a dirigir.

    Estratégia da defesa

    “Nosso objetivo é que esse caso seja tratado como acidente de transito, homicídio culposo”, diz Scandelari.

    “Crime de trânsito como tantos outros. Aliás, muitos casos do próprio tribunal, com mais de duas vítimas, têm sido tratados como crime de trânsito, mesmo em excesso de velocidade e com embriaguez”, argumenta Dotti.

    Scandelari ainda ressaltou que, mesmo que o caso saia do júri, não quer dizer que o ex-deputado vai ficar impune.

    “A lei de crime de trânsito prevê uma pena adequada, de 2 a 4 anos [de prisão], e é possível que sofra ainda uma indenização”, explica.

    “Agora, se a pena é baixa, o que é que ele [Carli Filho] tem a ver com isso?”, finaliza Brzezinski.

    Rapidez do caso

    A defesa também questiona a “extrema rapidez com que tem sido julgado o caso desde o início em comparação com os demais”

    “A gente é favorável à celeridade, mas a gente também é favorável ao princípio da igualdade, da isonomia, que os casos sejam devidamente analisados, com calma, com cautela, não de afogadilho”, argumenta Brzezinski. Dotti afirma que não lembra um caso julgado com tanta rapidez.

    Como Carli Filho vê o processo?

    Segundo Brzezinski, o ex-deputado fica “muito preocupado porque ele está percebendo que a situação não está sendo uma situação normal”.

    Trabalho

    Scandelari também ressaltou que o ex-deputado, enquanto parlamentar, era frequentador assíduo das sessões na Assembleia e chegou a propor um projeto de lei para que o proprietário de veículo que não tivesse praticado infração de trânsito no período anterior tivesse desconto anual do Imposto sobre Propriedade de Veículos Automotores (IPVA).

    Os advogados ainda destacam que, após abrir mão do mandato de deputado, Carli Filho não deixou de trabalhar.

    “Ele trabalha atualmente em uma empresa que lida compensados de madeira”, conta Scandelari. O advogado disse que Carli Filho mora atualmente no estado de São Paulo.

     

    Publicado por jagostinho @ 13:07



Os comentários NÃO representam a opinião do Blog do Jota Agostinho. A responsabilidade é EXCLUSIVA do autor da mensagem, sujeito à legislação brasileira.

2 Respostas

WP_Cloudy
  • Antunes Disse:

    Vai virar em multa convertida em cestas básicas. Escreva aí!

  • Alice Abad Disse:

    Sr. Rene Dotti, não ofenda a inteligência das pessoas.
    Quem é o idiota que vai acreditar numa alegação tão falha como essa?
    Uma pessoa parou no cruzamento e vendo o carro do assassino, ficou parado. As vítimas sem olhar chegaram e viraram, entrando na preferencial. Na quadra seguinte o assassino bateu no carro das vítimas.
    Cronometra isso e vê se existe a menor chance de alguém acreditar numa idiotice dessas!

    Sr. Rene, mais um detalhe que o senhor não captou, o acidente não ocorreu no cruzamento, foi na quadra seguinte tanto é que o assassino Carli Filho colidiu com o carro das vítimas por trás e não pelo lado como seria o caso.

    Acho bom pedirem um exame de sanidade mental para esse advogado.

Deixe um comentário

Por favor, atenção: A moderação de comentário está ativa e pode atrasar a exibição de seu comentário. Não há necessidade de reenviar o comentário.