Publicidade


      Red Apple Cosméticos

      CPV - Centro Paranaense da Visão

      Hospital Cardiológico Costantini

      Hotel Carimã

Twitter @blogdojota


  • 18ago

    REUTERS

    O primeiro grupo de americanos a fazer turismo em Cuba sob as novas e mais liberais regras dos Estados Unidos para viagens ao país foi recebido com abraços, apertos de mão e boas-vindas do governo cubano, segundo um agente de viagens.

    Os 30 viajantes são pioneiros da nova era de intercâmbio “de povo a povo”, aprovada em janeiro pelo governo de Barack Obama para “ampliar o livre fluxo de informação” aos cubanos, contrariando as objeções dos que eram favoráveis à manutenção da política linha-dura contra o regime comunista da ilha.

    Estima-se que entre 30 e 35 grupos tenham obtido até o momento licenças de viagem, em conformidade com a nova legislação, que reintroduziu normas baixadas pelo ex-presidente Bill Clinton em 1999, mas revogadas por seu sucessor, George W. Bush, em 2003.

    O primeiro grupo de viajantes foi a orfanatos, instalações médicas, museus de arte, apresentações musicais e fazendas de cultivo de tabaco.

    Eles também andaram pelas ruas da Velha Havana, na primeira prova do fruto proibido que Cuba tem sido há cinco décadas para os Estados Unidos, desde a imposição de um embargo comercial contra a ilha.

    Luciana Coelho – 3.mai.07/Folhapress
    Vista panorâmica da capital Havana, á partir de uma fortaleza
    Vista panorâmica da capital de Cuba, Havana; país agora pode receber turistas americanos

    As reações foram bastante variadas, segundo Tom Popper, da Insight Cuba, a agência de viagens que levou o grupo.

    “Algumas pessoas estão impressionadas pelo que veem e surpresas com o povo, a cultura e tudo ao redor”, disse ele esta semana. “E algumas se sentem horríveis por ver que conseguir café é uma luta, e encontrar coisas para comer é difícil, e que há duas economias e um médico precisa trabalhar como taxista para complementar sua renda”, comentou Popper.

    Ele descreveu uma emotiva visita a uma unidade para cegos, onde 40 pessoas aguardavam o grupo e aplaudiram quando chegaram.

    “Eles fizeram uma apresentação, dois deles tocaram, eles dançaram juntos”, contou Popper. “As pessoas se abraçaram. Houve muitas lágrimas. Foi simplesmente lindo.”

    “Tais trocas fazem diferença para os americanos e também fazem diferença para os cubanos”, disse ele. “Por isso, apenas espero que talvez um dia eles possam ver o valor do que está sendo feito.”

    “Eles” é uma referência aos políticos e outros, na maioria exilados cubanos que vivem na Flórida, que se opõem à reaproximação com o governo liderado pelo presidente Raúl Castro e acreditam que a viagem de americanos a Cuba ajuda o sistema comunista, cuja queda esperam há 50 anos.

    Eles lutam para manter parte do embargo que impede boa parte dos americanos de ir a Cuba, no qual as novas normas abriram uma brecha, de acordo com diretor do Fundo de Reconciliação e Desenvolvimento, John McAuliff, que defende a melhoria das relações EUA-Cuba.

    Enrique De La Osa/Reuters
    Carro estacionado em rua de Havana; país agora pode receber americanos
    Carro estacionado em rua da cidade de Havana

    “Em princípio, o anúncio feito pelo presidente em janeiro significa que virtualmente qualquer americano com um sério interesse em Cuba pode visitá-la”, disse ele.

    Entre outros aspectos, a nova lei permite que os americanos viajem a cuba por meio de agências como a Insight Cuba, que obtém uma licença dos EUA para realizar “viagens com determinados propósitos”, o que significa que tem de ser educacional e de interação com os cubanos. “Sem praias”, explicou Popper.

    Esta semana os turistas se espalharam por Cuba. Na quinta-feira da última semana, ao chegar à ilha, um participante enalteceu as virtudes da abertura para o turismo.

    “É maravilhoso que mais gente possa vir aqui pelo fato de que é de povo para povo, e não de governo para governo. Acho que as pessoas têm um jeito de se entender sobre os problemas, algo que o governo não pode”, disse o homem.

    Popper disse que o governo cubano vem ajudando a organizar eventos para o grupo, incluindo encontros com autoridades que ouviram “perguntas muito fortes”.

    Críticos afirmam que eles vão ter uma visão edulcorada de Cuba, mas Popper discorda. “As coisas não estão sendo maquiadas”, disse ele.

    Publicado por jagostinho @ 15:47



Os comentários NÃO representam a opinião do Blog do Jota Agostinho. A responsabilidade é EXCLUSIVA do autor da mensagem, sujeito à legislação brasileira.

Deixe um comentário

Por favor, atenção: A moderação de comentário está ativa e pode atrasar a exibição de seu comentário. Não há necessidade de reenviar o comentário.