Publicidade


      Red Apple Cosméticos

      CPV - Centro Paranaense da Visão

      Hospital Cardiológico Costantini

      Hotel Carimã

Twitter @blogdojota


  • 26ago

    Coluna de Celso Nascimento/Gazeta do Povo

    Quando secretário da Segurança no governo Requião, Luiz Fernando Delazari descobriu a pólvora ao afirmar, numa reunião com delegados, que impressões digitais eram fundamentais para identificar criminosos.

    Na ocasião, inspirado nos filmes policiais norte-americanos que costumava assistir, recomendou aos delegados que procurassem preservar cenas de crimes e que recolhessem diligentemente as digitais que pudessem ser encontradas.

    Seria uma grande revolução num estado que, na sua gestão, deixava 70% dos crimes sem identificar os autores caso se, em seguida, Delazari tivesse providenciado a contratação de profissionais habilitados para lidar com digitais – no caso, os papiloscopistas, categoria e técnica pouco prestigiadas na estrutura da Polícia Científica.

    Pois bem: não é que agora as digitais do ex-secretário Delazari foram encontradas entre as fontes que distribuem informações sobre uso, supostamente indevido, de aviões privados por parte do ministro das Comunicações, Paulo Bernardo, e de sua mulher, a chefe da Casa Civil, Gleisi Hoffmann?

    Sem exatamente lançar mão do trabalho de papiloscopistas, o Palácio do Planalto executou um trabalho de engenharia reversa para, ao final, identificar o dedo de Delazari na origem das notícias.

    Esta identificação pode levar à descoberta de outro envolvido: Delazari é hoje funcionário do Senado, lotado no gabinete do senador Roberto Requião, conhecido desafeto de Paulo Bernardo.

    Ainda recentemente, foi condenado pela Justiça a pagar indenização de R$ 100 mil ao ministro por ofensas que proferiu contra ele na “escolinha” televisiva que comandava durante seu governo. Seria o mandante?

    Fruet versus Derosso

    Pela primeira vez desde que foi forçado a sair do PSDB, o ex-deputado Gustavo Fruet se encontrou com o pivô desse acontecimento – o vereador João Cláudio Derosso.

    O encontro se deu ontem na Câmara Municipal de Curitiba, durante sessão em homenagem ao movimento católico Focolares do qual Fruet faz parte.

    Convidado a fazer parte da mesa, Fruet sentou-se ao lado de Derosso.

    Após a solenidades, o ex-deputado tucano, pela primeira vez desde que eclodiram as suspeitas que pesam contra o presidente da Casa, defendeu o afastamento do indigitado vereador do cargo para facilitar as investigações.

    Fruet se disse coerente: quando deputado e membro de CPIs no Congresso, pediu também o afastamento de Renan Calheiros e de José Sarney da presidência do Senado enquanto durasse a apuração deles com irregularidades.

    Fruet foi mais longe: lamentou que, após renunciar à obrigação de investigar o caso Consilux e o pagamento de precatórios para a empresa Cavo, a Câmara se vê forçada agora pela opinião pública a investigar atos suspeitos de seu próprio presidente.

    Com um detalhe: os valores envolvidos nas operações com publicidade são inferiores aos dispendidos pelo município nos dois outros casos que mencionou.

    • • •

    Conforme profecias, os vereadores consideraram “muito satisfatório” o depoimento secreto de Derosso perante a Comissão de Ética.

    Ele negou irregularidades nos contratos de publicidade que firmou com a empresa de sua mulher, funcionária da Câmara quando da contratação.

    Foi dado o primeiro passo para livrar Derosso de maiores incômodos.

    Publicado por jagostinho @ 13:13



Os comentários NÃO representam a opinião do Blog do Jota Agostinho. A responsabilidade é EXCLUSIVA do autor da mensagem, sujeito à legislação brasileira.

Deixe um comentário

Por favor, atenção: A moderação de comentário está ativa e pode atrasar a exibição de seu comentário. Não há necessidade de reenviar o comentário.