Publicidade


      Red Apple Cosméticos

      CPV - Centro Paranaense da Visão

      Hospital Cardiológico Costantini

      Hotel Carimã

Twitter @blogdojota


  • 31ago

    FOLHA.COM

    Um professor de direito do Mackenzie ameaçou mandar prender uma aluna do

    Professor Paulo Marco em recente evento

    quinto período que questionou seu método pedagógico na noite da última sexta-feira (26), em São Paulo.

    De acordo com Rodrigo Rangel, diretor do Centro Acadêmico João Mendes Jr., a aluna abordou Paulo Marco Ferreira Lima, que também é procurador, no corredor da faculdade e ambos discutiram.

    O professor seguiu então para uma sala de aula, fechou a porta e a aluna tentou forçar a abertura.

    Foi neste momento que Lima, evocando a sua condição de procurador, ameaçou mandar prender a estudante, relatou Rangel.

    Segundo a aluna, que não quer ser identificada, o professor, evocando sua autoridade, ameaçou prendê-la.

    “Ele me disse: `Nesse momento eu me dirijo a você não como professor, mas como procurador de Justiça. Se você não parar de se dirigir a mim ou ao segurança, vou te dar voz de prisão”‘, relata.

    Lima não nega ter ameaçado prendê-la, mas diz que foi obrigado porque “ela passou de todos os limites”.

    “Ela me ofendeu muito mais do que poderia. Nunca houve voz de prisão, só houve a intenção de fazê-la parar com as agressões”, conta.

    A aluna foi conduzida à direção da faculdade e os ânimos se acalmaram.

    No domingo (28), o centro acadêmico publicou uma nota de repúdio pedindo esclarecimentos ao professor.

    A nota, porém, provocou reação dos alunos, que consideraram inadmissível a atitude do professor.

    O irmão de Lima, que também é procurador e professor da universidade, saiu em defesa do seu irmão lembrando sua origem humilde e sua afro descendência.

    Em sua página no Facebook, o professor acusa a aluna de racismo e relata que ela chamou seu irmão de “negro sujo”, afirmando “preto não pode dar aula no Mackenzie”.

    “Essa postura, além de criminosa, é incompatível com a tradição mackenzista, primeira escola a aceitar filhos de abolicionistas”, disse o professor.

    A aluna, que é bolsista do ProUni (programa do governo que dá bolsa de estudo a alunos carentes), nega que tenha usado expressões racistas.

    “Eu nunca faria uma coisa que pudesse me fazer perder a bolsa [integral].”

    Lima não quis falar sobre os comentários do irmão.

    “Não vou transformar o ocorrido numa questão racial.”

    Procurada, a universidade disse que apura o caso.

    Publicado por jagostinho @ 19:19



Os comentários NÃO representam a opinião do Blog do Jota Agostinho. A responsabilidade é EXCLUSIVA do autor da mensagem, sujeito à legislação brasileira.

Deixe um comentário

Por favor, atenção: A moderação de comentário está ativa e pode atrasar a exibição de seu comentário. Não há necessidade de reenviar o comentário.