Publicidade


      Red Apple Cosméticos

      CPV - Centro Paranaense da Visão

      Hospital Cardiológico Costantini

      Hotel Carimã

Twitter @blogdojota


  • 01nov

    Delúbio Soares (*)

    O mundo não está só globalizado: ele está em rede. Aliás, muitas redes. E elas tornaram o planeta muito menor e bastante melhor. Com o advento da internet, a rede mundial de computadores, experimentamos mudança radical em nossas vidas.

    Em todos os setores, do comércio à educação, dos serviços à saúde, do entretenimento aos esportes, percebemos a força dessa autêntica revolução que pulsa nas telas dos micros, dos notebooks, dos tablet’s, dos celulares, dos terminais.

    A presença do computador em nossas vidas já se consolidara muitos anos antes. Mas, nos dias de hoje, ele já perdeu a imagem de verdadeiro tótem futurista, de máquina distante e fria.

    Foi por obra de quando as pessoas se aproximaram mais umas das outras, desacralizando o suposto mistério da tecnologia da informação e utilizando as redes sociais da internet para uma vida melhor, mais inteligente, e com mais qualidade em todos os sentidos.

    Os indicadores mais recentes da utilização e acesso à rede mundial de computadores pelos brasileiros são impressionantes!

    Ao final do ano de 2010 cerca de 74 milhões de pessoas (com mais de 16 anos de idade) utilizavam a internet. Mais 3 milhões de brasileiros (com menos de 16 anos) engrossaram esse número altamente expressivo.

    Com 77 milhões de brasileiros – pouco menos da metade de nossa população total – acessando a rede mundial de computadores, o IAB (Interactive Adverstising Bureau), com base em pesquisas realizadas pelo IBOPE, pode sentenciar: “a internet é mídia de massa!”

    O IAB é uma associação que existe em mais de 45 países cuja principal missão é desenvolver o mercado de mídia interativa. 

    O IAB Brasil conta atualmente com cerca de cem filiados, entre sites e portais, empresas de tecnologia, agências e desenvolvedoras web, líderes em seu segmento no país.

    Portanto, não lhe faltam nem conhecimento nem autoridade na área. Melhor termômetro de nossa realidade na área da internet, impossível.

    Quando o governo Lula se iniciava, em inícios de 2003, apenas 19,4 milhões de cidadãos de nosso país tinham acesso à internet. Um indicador tão ruim quanto os vergonhosos indicadores sociais (educação, saúde, habitação, qualidade de vida, etc…) herdados do governo de Fernando Henrique Cardoso e do PSDB/DEM.

    Com a política desenvolvimentista do governo do PT e dos partidos da base aliada, tendo a melhoria das condições de vida de nosso povo como principal preocupação, a cidadania digital foi implantada a passos largos (ou mais megas e terabytes!) e hoje formidáveis 81,07 milhões de brasileiras e brasileiros acessam regularmente a internet.

    Da herança maldita dos tucanos, nós petistas realizamos a façanha de corresponder aos anseios de modernidade e comunicação de um país que cresce a cada dia e seu povo, agente principal das transformações profundas pelas quais o Brasil vem passando na última década.

    O computador nas mãos de todo e qualquer brasileiro significa a democratização do saber e da informação. O governo Lula exterminou uma odiosa situação: como herança renitente da década infame do tucanato, o acesso à internet era partilhado por 50,2% das classes A e B, e 49,8% dos internautas eram das classes C, D e E.

    Hoje, quando o computador está acessível aos brasileiros e já está incorporado à rotina de suas famílias, 52,8% dos acessos são de brasileiros das classes C, D e E, onde se localizam a classe média e os trabalhadores, e 47,2% são das classes A e B, os ricos e a classe média alta.

    É um verdadeiro milagre, somente possível pela decisão política dos governos de Lula e de Dilma, a familiarização dos brasileiros com a internet, massificando a utilização de seus recursos e das redes sociais: Facebook, Twitter, Linked In, Orkut, etc…

    Causa calafrios aos nossos antecessores no governo a imagem deslumbrante de um aluno pobre de escola pública no Oiapoque, divisa do Amapá com a Guiana Francesa, acessando os maiores museus do Brasil e do mundo, poder visitá-los virtualmente e se informar sobre cada um deles, saltando do MASP na Avenida Paulista para o centenário e emblemático Museu do Louvre, no coração de Paris.

    Pois isso pode estar acontecendo milhares de vezes no exato momento em que você, amigo leitor, estiver lendo esse artigo e imaginando essa viagem fantástica empreendida pela eterna e imorredoura sede de saber do ser humano.

    Apesar do imenso esforço que certa parte de nossa elite dirigente – a parte mais reacionária e desumana – sempre fez para deter o poder através de expedientes condenáveis, da submissão intelectual e da incultura da maioria absoluta de nosso povo, a situação se inverteu claramente.

    Hoje temos uma pequena elite que ainda não compreendeu o momento vivido pelo Brasil e o mundo, nem teve a mínima competência para decifrar os signos de um novo tempo que já chegou há quase uma década.

    Não poderia, portanto, decodificar, compreender ou aceitar a poderosa equação de que diante de meias verdades ou mentiras inteiras, da manipulação rasteira dos fatos, da desinformação a serviço de interesses inconfessáveis, os brasileiros estão utilizando a internet e as redes sociais para se informarem e conhecerem a verdade dos fatos, sem a tutela desonesta dos que mascaram a realidade, assassinam reputações, premiam e punem a seu bel-prazer e de acordo com suas conveniências políticas, ideológicas, econômicas ou, até mesmo, meramente pessoais.

    Já há algum tempo lancei meu blog (www.delubio.com.br). Tem sido um espaço valioso para a difusão de idéias e sua discussão franca, sempre em nível elevado e com a participação espontânea dos internautas.

    Logo depois veio o Twitter (@delubiosoares), onde acompanho milhares de pessoas e por elas sou seguido, com a rapidez vertiginosa do bem-sucedido microblog, informando e debatendo em tempo real.

    Com minha chegada ao Facebook (www.facebook.com/delubiosoares) consolidou-se o processo de utilização das redes sociais, interagindo com brasileiros de todos os rincões.

    Cotidianamente, à luz do dia ou em plena madrugada, dialogo com brasileiros que sequer conheço pessoalmente, debatendo com franqueza e intercambiando impressões sobre os mais variados assuntos, numa experiência que tem agregado muito valor a meu trabalho como militante político e cidadão.

    Minha experiência pessoal é o melhor testemunho que posso dar sobre a importância da rede. Faz poucas semanas difundi minha “Defesa ao Supremo Tribunal Federal”, brilhante trabalho dos respeitados juristas Arnaldo Malheiros e Celso Villardi e suas equipes.

    Tomei a iniciativa de divulgar o inteiro teor de uma peça jurídica muito bem fundamentada, composta por documentação farta e testemunhos eloqüentes.

    Esperava não só levá-la ao conhecimento dos milhões que navegam no mundo virtual, mas estimular a leitura e a avaliação dos brasileiros, partilhando dados, fatos e informações da maior importância e, quase sempre, não encontradas na mídia tradicional.

    O resultado não poderia ter sido mais auspicioso: iniciou-se debate transparente, fluído e sem preconceitos, onde colho as impressões e a opinião de cada internauta.

    Além disso, tenho divulgado meus artigos semanais, leituras que faço e partilho com todos, milhares de mensagens de apoio e solidariedade recebidas de norte à sul do Brasil.

    Há muito a ser feito, ainda, em relação à internet em nosso país. Ela já se encontra disponível em nossas escolas, está gratuitamente nas ruas, praças e bairros de centenas de cidades, adquire importância singular e se torna quase insubstituível na vida das pessoas a cada dia que passa.

    Os governos petistas têm levado a sério a missão de democratizar a rede mundial de computadores, em benefício do povo brasileiro e do futuro de nosso país.

    O programa “Um computador por aluno” (UCA) redobra sua importância e defendo que cada professor receba, também, um tablet ou notebook para auxiliá-lo em sua sagrada missão de ensinar.

    A banda larga mais rápida e mais barata não é uma utopia, senão uma necessidade que o Brasil do futuro nos impõe e o governo Dilma persegue com sincera decisão político-administrativa.

    O expressivo crescimento da utilização da rede, tanto no Brasil quanto em todos os países em desenvolvimento, é o indicativo seguro de que se estabelecem novos paradigmas.

    Todos eles muito bem-vindos: democracia na informação; nova ferramenta de desenvolvimento científico, educacional e econômico; veículo de crescimento social dos povos e Nações.

    (*) Delúbio Soares é professor

    www.delubio.com.br

    www.twitter.com/delubiosoares

    www.facebook.com/delubiosoares

    [email protected]



    Publicado por jagostinho @ 16:55



Os comentários NÃO representam a opinião do Blog do Jota Agostinho. A responsabilidade é EXCLUSIVA do autor da mensagem, sujeito à legislação brasileira.

Uma resposta

WP_Cloudy
  • MÍRIAM Disse:

    Todo lixo do primeiro mundo cai aqui com 30 anos de atraso.

    Não só computadores, mas celulares defasados chegam até nós e após um ano de uso, vão para a África encantar os africanos.

    Isso é uma consequência natural da rotatividade da tecnologia.

    O sr Delúbio fala como se o PT fosse um Deus que modernizou e salvou o Brasil de todas as desgraças….

    O avanço tecnológico veio ao seu tempo de forma natural e com a desvalorização do dólar, a crise americna …..blá…blá…….

Deixe um comentário

Por favor, atenção: A moderação de comentário está ativa e pode atrasar a exibição de seu comentário. Não há necessidade de reenviar o comentário.