Publicidade


      Red Apple Cosméticos

      CPV - Centro Paranaense da Visão

      Hospital Cardiológico Costantini

      Hotel Carimã

Twitter @blogdojota


  • 11jan

    Ao ler o livro “reportagem investigativa” de Amaury Ribeiro Jr, a privataria tucana sobram motivos para indignação.

    Não é possível imaginar que, personalidades, cujas biografias, constam a luta contra a ditadura militar, foram perseguidos e exilados, protagonizassem um escândalo dessa  magnitude.

    Fernando Henrique Cardoso chegou ao poder em 1994 (eleito presidente da República pelo voto popular) e, muito mais preocupado com os holofotes, tanto nacionais, como internacionais, esqueceu-se do Brasil  e de seu povo, adotou como modelo a Margaret Thatcher da Inglaterra e Ronald Reagan dos Estados Unidos da América do Norte-, e vendeu o patrimônio nacional a preço de banana.

    Grupos  oportunistas nacionais e grupos internacionais usurparam nossas riquezas, num festival de irresponsabilidade e  verdadeira falta de escrúpulos. 

    José Serra, ministro do planejamento de FHC, embalado pela farsa do neoliberalismo (o estado mínimo) vendeu a preço vil:  o sistema Telebrás, a CSN, a Vale do Rio Doce, e tantas outras estatais que foram entregues aos “admiradores” do capitalismo moderno, num ato  antipatriótico e irresponsável que, marcará indelevelmente, de forma repugnante, a História de nossa Pátria.

    Não bastasse isso, a “tucanada” amparada em cargos públicos da mais alta relevância, ao bater o martelo e entregar o patrimônio público, não perderam a oportunidade de, mostrar a insensatez, a falta de caráter e o antipatriotismo.

    E, conforme as privatizações aconteciam (Serra ia batendo o martelo ao seu bel prazer, com a conivência de FHC), uma rede de “propinagem” se formava e, os “arautos da modernidade” se enriqueciam ilicitamente  da forma, a mais descarada e vergonhosa possível.

    FHC,  cúmplice, do alto de seu pedestal observava a trambicagem, impassível. Aplaudia cada batida de martelo e, com apoio da grande mídia aguardava o momento certo para incluir  o Banco do Brasil, a Caixa Econômica Federal e a  Petrobrás na lista  das empresas que podiam ser entregues aos “corvos”  do capitalismo selvagem. Ricardo Sérgio de Oliveira, diretor da área internacional do Banco do Brasil,… “no limite da irresponsabilidade”…  usava seu poder para formar consórcios e privilegiar amigos e, claro, não  poderia deixar de privilegiar: o “chefe das privatizações”, José Serra e sua família, Carlos Jereissati, irmão do então senador tucano, Tasso Jereissati, Daniel Dantas, banqueiro, dono do banco Opportunity, e tantos outros amigos e  apaniguados  políticos. 

    A farra do patrimônio público transformada em propina  circulava do Brasil ao Caribe, do Caribe ao Brasil – ia e vinha através das  offshores – num ato criminoso que, vale destacar,  a família Serra fez escola. 

    A filha de Serra, Verônica Serra, seu genro, Alexandre Bourgeois, seu primo espanhol, Gregório  Marín  Preciado, manipularam o dinheiro  público de forma criminosa, sem nenhum escrúpulo e pudor.

    Os crimes,  são os mais diversos: formação de quadrilha,  evasão de divisas, lavagem de dinheiro e,  ainda, segundo  Amaury ribeiro Jr, crime de “quebra ilegal de sigilo bancário” que, Verônica Serra, responde em processo criminal que tramita na Justiça de São Paulo (consta a notícia do processo à pág. 278 do livro).

     O que mais  causa espanto e indignação, porém, são os valores  que as empresas nacionais foram vendidas e deram margem ao “propinoduto” que enriqueceram ilicitamente os vendilhões de nossas riquezas.

    Empresas como a  Vale do Rio Doce, o sistema Telebrás e a CSN, além de outras, vendidas a preço de banana. 

    Crime de lesa Pátria, para dizer o mínimo. Homens públicos que deveriam zelar por nosso patrimônio, dar o exemplo,   envolvidos nessa promiscuidade de causar nojo. 

    Apenas para citar dois exemplos: por quanto foi vendida a Vale do Rio Doce e qual seu valor de mercado  hoje? por  quanto foi vendido o sistema Telebrás e qual seu valor de mercado hoje ? 

    Sem exageros, mas esses senhores que entregaram o patrimônio público a preço tão vil e  se enriqueceram ilicitamente com as propinas, deveriam ser extirpados da vida pública nacional  e , pelos crimes cometidos, deveriam ir para a  cadeia.

    Seria o lugar mais confortável para eles. Pois, quero crer, cometeram crime de “lesa Pátria e, por que não dizer,  cometeram crime de “lesa humanidade”.

    Lesa humanidade porque,  todo esse dinheiro roubado, através das propinas e todo esse prejuízo causado aos cofres públicos, por vender a preço tão vil o patrimônio público, com certeza,  teria  salvado muitas crianças que, por falta de recursos em nosso precário sistema de saúde, morrem por falta de atendimento.  

    O livro a privataria tucana de Amaury Ribeiro Jr é um documento histórico explosivo, aponta os crimes, apresenta as provas, e nosso País, através de suas instituições não pode se calar.

    O  povo brasileiro não pode se calar. Nossas instituições, como o Congresso Nacional, o Ministério Público Federal, a Polícia Federal, devem tomas as providências necessárias, no sentido de, apurar as graves denúncias expostas no livro.

    E, o povo brasileiro deve se mobilizar, ir as ruas , exigir que esses crimes sejam apurados e punidos com o rigor da lei.

    A  Câmara dos Deputados, através de iniciativa do Deputado Prótogenes Queiroz  requereu a instalação de CPI – Comissão Parlamentar de Inquérito, e já conseguiu as assinaturas necessárias para sua instalação.

    Já é um bom começo, mas, caso se crie alguma dificuldade para sua instalação, o povo, através de manifestações públicas, como mencionado acima, deve pressionar e exigir a investigação. 

    O livro de Amaury Ribeiro Jr, sem apoio da mídia tradicional, já vendeu mais de 100.000 exemplares em poucos dias e, caso mantenha esse  desempenho  poderá ser um dos mais vendidos do Brasil, nos últimos tempos.

    A  mídia alternativa, internet, não fala outra coisa.  A repercussão é tão grande que, acredito, na volta do recesso parlamentar,  com a instalação da CPI o assunto  poderá se transformar  em clamor popular e abalar  as estruturas da República. 

    É importante ressaltar que, com essas atitudes, estamos procurando passar  a limpo nosso País. O período obscuro  da ditadura  militar, mesmo a um preço alto, ficou para trás.

    O período das privatizações estava  caindo no esquecimento, até que, apareceu o livro reportagem investigativa de Amaury Ribeiro Jr, a  privataria  tucana, que está abalando as estruturas da República; deve ser investigado a fundo, doa a quem doer.

    Sem tréguas aos “propineiros, esse  período de nossa História deve mostrar suas “vísceras”, mesmo  que, para isso, os responsáveis por esses crimes devam ir para a cadeia  e, mesmo que, esse episódio signifique o fim de um partido político, chamado PSDB.

     

    Edson Feltrin

    Advogado e presidente da FEMOTIBA

    Federação das Associações de Moradores de Curitiba.

    Publicado por jagostinho @ 13:02



Os comentários NÃO representam a opinião do Blog do Jota Agostinho. A responsabilidade é EXCLUSIVA do autor da mensagem, sujeito à legislação brasileira.

3 Respostas

WP_Cloudy
  • NUNO PORTO DE SANTOS Disse:

    Falaste e disseste!!! A grande (rs rs rs) imprensa, canalha, venal, anti patriótica e torpe, como sempre, caladinha… O chamado “mensalão” não chega a UM POR CENTO do prejuízo que esses vendilhões do PSDB (eta partidinho para ter crápulas… Aí no Paraná, então…)causaram à nação. Eu vi e ouvi Álvaro Dias (não vale o que defeca) “louvar” a privatização da Vale. O ostracismo é pouco para esse calhorda!!!

  • L. Mello Disse:

    Cia Iberia de Aviação, privatizada por 3 Bilhoes de dolares
    Vale do Rio doce, privatizada por 3,5 bilhoes de dolares.

    Precisa dizer mais alguma coisa ?

    SDs.

  • Cleverson Lima - Rodopiou.com Disse:

    Convido todos a participarem do lançamento do livro “A Privataria Tucana” em Curitiba, será nesta quinta (19), no auditório do SISMUC.

    O evento é organizado pelo Coletivo Paraná Blogs, Geração Editorial e conta com apoio de sindicatos.

    O autor do livro Amaury Ribeiro Jr estará presente respondendo perguntas referentes as privatizações, lavagem de dinheiro, paraísos fiscais e também a algo que muito deve interessar aos paranaenses, a CPI DO BANESTADO.

    Segue o banner do evento
    http://paranablogs.files.wordpress.com/2012/01/banner1-novo.jpg

Deixe um comentário

Por favor, atenção: A moderação de comentário está ativa e pode atrasar a exibição de seu comentário. Não há necessidade de reenviar o comentário.