Publicidade


      Red Apple Cosméticos

      CPV - Centro Paranaense da Visão

      Hospital Cardiológico Costantini

      Hotel Carimã

Twitter @blogdojota


  • 17jan

    COLUNA DE CELSO NASCIMENTO/GAZETA DO POVO

    Os três ministros paranaenses – Gleisi Hoff­mann, da Casa Civil; Paulo Bernardo, Co­­mu­nicações; e Gilberto Carva­lho, secretário-geral da Presi­dência – fazem parte do restrito grupo convocado por Dilma Rousseff para assessorá-la no xadrez da reforma ministerial que a presidente espera ver concluída nas próximas semanas.

    Nunca antes na história deste estado o Paraná teve tanta presença política, a ponto de influir – ou de simplesmente palpitar, o que já não é pouca coisa – em assunto tão sensível na esfera federal.

    Afinal, está em jogo o relacionamento de Dilma com os partidos que apoiam seu governo no Congresso e com os quais dividiu o poder.

    Um passo em falso e a dita “base aliada” pode sofrer defecções ou mostrar-se insatisfeita a ponto de criar-lhe dificuldades. É como arrumar a cristaleira sem correr o risco de quebrar nenhuma das delicadas peças que a compõem.

    Para consumo interno, a presidente dividiu informalmente o seu numeroso ministério – quase 40 cabeças – em três grupos distintos: o dos demissíveis em razão do sofrível desempenho gerencial ou dos rastros éticos que já deixaram pelo caminho; o dos bons cumpridores das tarefas e que, por isso, devem ser preservados; e o do restrito pelotão dos mais próximos, aos quais a presidente recorre inclusive para buscar aconselhamento. É deste último grupo que fazem parte os três ministros paranaenses.

    A influência do trio talvez possa ser medida pelas notícias que chegam do Planalto dando conta de uma não disfarçada irritação que teria acometido Dilma Rousseff após uma conversa telefônica com o governador de Pernambuco, Eduardo Campos (PSB), no início do ano.

    Sua Excelência, incomodado com o tratamento dispensado ao correligionário, conterrâneo e protegido ministro Fernando Bezerra (Inte­gração Nacional), teria lembrado a presidente de que o apoio do PSB ao seu governo precisa ser recíproco: o governo precisa também apoiar o PSB.

    Tradução: Campos quer que Bezerra não só seja preservado na reforma ministerial como, desde já, defendido do desgaste que passou a sofrer desde que foi denunciado pelo favorecimento dispensado a Per­nambuco ao repassar ao estado 90% dos recursos federais contra enchentes; e pelo nepotismo descarado com que o ministro loteou os órgãos da própria pasta.

    O governador pernambucano, ao ameaçar a presidente de tirar-lhe o apoio do PSB, teria manifestado sua insatisfação contra o desprestígio de que estariam sendo vítimas candidatos do seu partido a prefeito de alguns dos mais importantes municípios do país.

    E citou especificamente o caso do prefeito de Curitiba, Luciano Ducci. Embora seja do PSB, partido da base aliada, Luciano não conta com o apoio do PT, que, ao contrário, dirige sua força visando eleger Gustavo Fruet (PDT), até há pouco tempo adversário dos governos Lula e Dilma.

    Ao fazer a crítica, Eduardo Campos mexeu com os brios dos três ministros paranaenses – dois deles, Gleisi e Bernardo, articuladores diretos da aliança com Fruet, sob bênçãos e estímulos de Dilma e Lula.

    Publicado por jagostinho @ 13:19



Os comentários NÃO representam a opinião do Blog do Jota Agostinho. A responsabilidade é EXCLUSIVA do autor da mensagem, sujeito à legislação brasileira.

Deixe um comentário

Por favor, atenção: A moderação de comentário está ativa e pode atrasar a exibição de seu comentário. Não há necessidade de reenviar o comentário.