Publicidade


      Red Apple Cosméticos

      CPV - Centro Paranaense da Visão

      Hospital Cardiológico Costantini

      Hotel Carimã

Twitter @blogdojota


  • 19jan

    AGÊNCIA O GLOBO

    Uma semana depois de a Casa Rosada ter anunciado nova ofensiva protecionista e dois dias após o ministro do Planejamento, Julio De Vido, ter denunciado cinco companhias petrolíferas, entre elas a Petrobras, por suposta “cartelização” no mercado de diesel (do qual a brasileira detém fatia de 2,3%), o Brasil decidiu reagir por meio do ministro do Desenvolvimento, Indústria e Comércio Exterior, Fernando Pimentel (foto).

    Nesta quarta-feira (18), durante visita aos EUA, Pimentel referiu-se à Argentina em termos poucas vezes visto por parte de um alto funcionário brasileiro.

    “A Argentina tem sido um problema permanente. Temos boas relações políticas, mas economicamente é difícil lidar com eles”, disse.

    O governo de Dilma Rousseff está avaliando as recentes medidas adotadas pelo Executivo da presidente Cristina Kirchner.

    Semana passada, o governo argentino informou que a partir do próximo dia 1º os importadores do país deverão apresentar uma Declaração Juramentada Antecipada perante à Receita Federal local (Afip).

    A autorização ou não das operações estará nas mãos do secretário de Comércio Interior, Guillermo Moreno, um dos funcionários mais polêmicos do governo argentino.

    O objetivo de Moreno e sua equipe é impedir que o superávit comercial do país fique abaixo dos US$ 10 bilhões este ano.

    Nova medida retardará entrada de importados

    Na prática, a nova medida retardará a entrada de produtos no mercado argentino e representará uma nova barreira comercial num mercado considerado importantíssimo para o Brasil.

    “Temos um superávit comercial de cerca de US$ 6 bilhões com a Argentina”, disse Fernando Pimentel.

    Em 2011, o comércio bilateral alcançou US$ 35 bilhões e o déficit da Argentina com o Brasil, apesar da aplicação de barreiras como as Licenças não Automáticas, ficou em US$ 5 bilhões.

    O ministro brasileiro acrescentou que não vai tentar negociar com o governo argentino antes de a nova medida ser colocada em prática.

    Mas informações divulgadas pela imprensa argentina indicam que o Brasil solicitou um encontro de emergência com autoridades do governo Kirchner, entre elas a ministra da Indústria, Débora Giorgi.

    Ela tem uma boa relação com Pimentel.

    Publicado por jagostinho @ 17:01



Os comentários NÃO representam a opinião do Blog do Jota Agostinho. A responsabilidade é EXCLUSIVA do autor da mensagem, sujeito à legislação brasileira.

Deixe um comentário

Por favor, atenção: A moderação de comentário está ativa e pode atrasar a exibição de seu comentário. Não há necessidade de reenviar o comentário.