Publicidade


      Red Apple Cosméticos

      CPV - Centro Paranaense da Visão

      Hospital Cardiológico Costantini

      Hotel Carimã

Twitter @blogdojota


  • 11fev

    UOL NOTÍCIAS

                                                                                                                    
    À espera da aposentadoria pelo INSS (Instituto Nacional da Seguridade Nacional), Ionise Santos Oliveira, 53, com diagnóstico de sérios problemas cardíacos e pedido de afastamento do trabalho, morreu enquanto cuidava de crianças em uma creche de Anápolis, a 48 km de Goiânia.
    Ela sentiu dores no peito por volta das 8h30 desta quarta-feira (8), foi socorrida, mas não resistiu ao terceiro infarto.

     A irmã da vítima, a pedagoga Maria Aparecida Santos Oliveira, 46, diz que a família está inconformada com a morte porque Ionise aguardava desde agosto de 2011 a análise de um recurso contra a decisão do INSS.

    Segundo ela, os problemas de saúde de Ionise começaram em 2010, quando ela sofreu dois infartos e uma recomendação médica para não regressar ao trabalho, evitar esforços físicos e emocionais.

    Com os laudos e exames, na época, ela passou pela perícia do INSS e conseguiu uma licença com pagamento do auxílio-doença.

    Mesmo em tratamento, o auxílio foi suspenso em julho de 2011 e a vítima ingressou com pedido de aposentadoria, que acabou negado.

    A irmã conta que, sem o apoio financeiro, Ionise voltou ao trabalho em agosto do mesmo ano. Desde então começou a reclamar de cansaço e dores no peito.

    “Mesmo com os laudos de incapacidade para o trabalho e os exames mostrando a insuficiência cardíaca e dilatação de uma artéria do coração, o pedido foi negado. Não houve critérios para a avaliação”.

    Maria Aparecida conta que a família pedia para Ionise não ir trabalhar, mas ela não tinha outra fonte de renda.

    Nos últimos meses, ela aguardava a resposta do INSS para o recurso e estava pretendendo entrar com uma ação judicial para pedir a aposentadoria.

    “Estamos nos sentindo injustiçados, não tivemos respaldo do INSS e a resposta veio assim, com o falecimento da minha irmã. A não possibilidade de fazer o tratamento correto com certeza agravou o estado de saúde dela”.

    O INSS confirmou que Ionise Santos Oliveira entrou com um recurso contra a decisão do médico e explicou que o recurso foi negado porque a documentação apresentada não comprovava a incapacidade para o trabalho.

    Publicado por jagostinho @ 13:06



Os comentários NÃO representam a opinião do Blog do Jota Agostinho. A responsabilidade é EXCLUSIVA do autor da mensagem, sujeito à legislação brasileira.

6 Respostas

WP_Cloudy
  • TARCÍSIO Disse:

    Essa é apenas mais uma que morreu. Diariamente são milhares. Estes peritos deviam cuidar de cachorros, pois são veterinários e nãom sabem.

  • Rosi Disse:

    Tarcisio, isto é crueldade com os animais. Nem cachorro essa perícia do INSS merece. Deviam ir para o paredão. Cambada de vagabundos com crachá de autoridade !

  • OrleiCuritiba Disse:

    O mais triste nisso é que esses caras peritos de meia tijela não são punidos nunca. Ainda são protegidos. Vergonha nacional mesmo.

  • Bia Disse:

    perito devia cuidar de chiqueiro. Como pode um dentista dizer que o laudo não vale pq faltou uma virgula do atestado do um cardiologista? Onde está a lógica? O povo devia tocar fogo nos postos de pericia. Não ia se perder nada.

  • Lenira Disse:

    Será ue os grandões do INSS já estiveram numa perícia do INSS? Claro que não. Canalhas mesmo.

  • nardo Disse:

    esses peritos sao uns vagabundos nao tem compromisso nenhum com a verdade dos fatos,tudo pau mandado O conselho federal de medicina que nao faz nada

Deixe um comentário

Por favor, atenção: A moderação de comentário está ativa e pode atrasar a exibição de seu comentário. Não há necessidade de reenviar o comentário.