Publicidade


      Red Apple Cosméticos

      CPV - Centro Paranaense da Visão

      Hospital Cardiológico Costantini

      Hotel Carimã

Twitter @blogdojota


  • 12fev

    SANDRO OSTROSKI/JORNAL DA MANHÃ-PG

    Qual é o momento oportuno para aplicar uma mentirinha benevolente?

    Aquela que não faz mal, que pode ser absorvida como um engano proposital, sem malícia e dotada de atitude pueril, onde o benefício resultante é de ordem mútua.

    Às vezes, iludir o padrão moral tido como pecado pode envolver uma situação permissível.

    A mentira é como a sorte que navega na combinação de circunstâncias maioritariamente positiva ou negativa dentro de um modo inelutável.

    Como o fundamento da propaganda aplicado na causa de que é mais fácil fazer as pessoas acreditarem numa grande mentira dita muitas vezes, do que em uma pequena verdade dita uma vez.

    Digo isso, porque em tese, a aplicação adotada pelo TRE/PR (Tribunal Regional Eleitoral do Paraná) que garantiu quorum necessário para o cadastramento biométrico eleitoral da cidade de Curitiba deixa como subentendido a questão de que uma mentira nem sempre é coisa ruim.

    Visto que o resultado irá garantir maior agilidade na apuração do sufrágio democrático programado para este ano.

    Não, não se trata de crítica e sim de mérito.

    Pois, o conhecimento jurídico constitucional indica que nenhum documento que está dentro da legalidade e da legitimidade possa a ser excluído sem que se de baixa em orbituário, portanto, o Título Eleitoral não poderia ser cancelado.

    Por outro lado, segundo as normas estabelecidas pelo Tribunal Superior Eleitoral, Curitiba ficaria sem o voto biométrico se a meta de 80% do eleitorado não fosse atingida.

    A mentira em benefício do bem. Com isso, ganha a democracia e ganha os curitibanos com a tecnologia de ponta aplicada na programação, no armazenamento em banco de dados e na segurança de informação que sofrerá apenas, uma leve migração para a Secretaria de Segurança Pública.

    É a inteligência maquiavélica aplicada na determinação de que a mentira será verossímil. Agora, se ela tinha a intenção de enganar, então é uma outra história.

    Publicado por jagostinho @ 17:01



Os comentários NÃO representam a opinião do Blog do Jota Agostinho. A responsabilidade é EXCLUSIVA do autor da mensagem, sujeito à legislação brasileira.

Deixe um comentário

Por favor, atenção: A moderação de comentário está ativa e pode atrasar a exibição de seu comentário. Não há necessidade de reenviar o comentário.