Publicidade


      Red Apple Cosméticos

      CPV - Centro Paranaense da Visão

      Hospital Cardiológico Costantini

      Hotel Carimã

Twitter @blogdojota


  • 18mar

    LUIS NASSIF ONLINE

    Você gostaria de ser dono de 20% uma grande e lucrativa faculdade privada numa grande cidade, por um valor de um apartamento de classe média modesto?

    E em condições camaradas, pagando em 25 parcelas correspondentes a menos da metade de seu salário?

    Pois o senador Demóstenes Torres (DEMos/GO) é um felizardo que conseguiu essas condições através de um sócio milionário de Goiás, dono de laboratório!

    Calma, gente! Desta vez não estou falando do “professor”-bicheiro Carlinhos Cachoeira. O senador tem outros amigos endinheirados.

    O sócio milionário é Marcelo Henrique Limirio Gonçalves, ex-dono do laboratório Neoquímica e sócio da Hypermarcas.

    Foi quem entrou com o grosso do dinheiro para implantar a faculdade, e fez este negócio de pai para filho com Demóstenes.

    O contrato social da empresa mantenedora da faculdade prova:

    http://goo.gl/psYA3
    Primeira alteração do Contrato Social, mudando a denominação.

     

    http://goo.gl/R88iD
    Contrato Social original com a participação de cada sócio e forma de injetar o dinheiro .
    http://goo.gl/vmBpW
    Registro no MEC mostra que empresa de Demóstenes é a mantenedora da Nova Faculdade.

    O milionário Marcelo Limírio entrou com R$ 600 mil no ano de 2008, para botar a faculdade de pé.

    Demóstenes Torres entrou com R$ 200 mil, mas em 25 prestações de R$ 8 mil por mês (suaves, para quem tem salários de senador e de ex-procurador do Ministério Público de Goiás).

    As prestações só terminaram de serem pagas em março de 2010.

    A terceira sócia foi assessora de Demóstenes no gabinete do Senado, até assumir a direção do instituto, e também entrou no negócio exatamente com as mesmas condições do senador.

    http://goo.gl/3XlqH

    Não há nada aí em cima que, por si, possa ser enquadrado no código penal. Sem fazer ilações sobre laranjas, negócios de fachada, etc, o que pode-se afirmar com certeza é que o milionário fez uma ação entre amigos para proporcionar um negócio de pai para filho a Demóstenes, para ele ter uma renda e patrimônio empresarial.

    O problema é que Demóstenes não é filho de Marcelo Limírio, e seus maiores atrativos são ocupar um estratégico cargo de Senador, presidente da CCJ no Senado, tem trânsito no governo de Goiás, é irmão do Procurador-Geral do Estado de Goiás, tem relacionamento pessoal com ministros do STF como Gilmar Mendes.

    Se Demóstenes fosse ministro da Dilma, ele já estaria pré-condenado por suposto tráfico de influência, corrupção passiva, e coisas do gênero.

    E ele, como Senador, tem que explicar a seus eleitores as razões que levaram um milionário a fazer um negócio de pai para filho beneficiando ele.

    O caso é mais esquisito do que a cozinha importada ganha de Carlinhos Cachoeira.



    Publicado por jagostinho @ 11:47



Os comentários NÃO representam a opinião do Blog do Jota Agostinho. A responsabilidade é EXCLUSIVA do autor da mensagem, sujeito à legislação brasileira.

Deixe um comentário

Por favor, atenção: A moderação de comentário está ativa e pode atrasar a exibição de seu comentário. Não há necessidade de reenviar o comentário.