Publicidade


      Red Apple Cosméticos

      CPV - Centro Paranaense da Visão

      Hospital Cardiológico Costantini

      Hotel Carimã

Twitter @blogdojota


  • 20mar

    RECEBIDO DA JORNALISTA THEA TAVARES

    Foto: Thea Tavares

    Em encontro, no mês de abril, o PT de Curitiba vai decidir os rumos da sua política de alianças para as eleições municipais de 2012: se lança candidatura própria ou se abraça outra candidatura majoritária em defesa de um plano de governo comum para governar Curitiba.

    Até lá, o partido tem realizado diversos debates com a militância para atualizar um plano de governo formatado desde 2008, durante a campanha de Gleisi Hoffmann à prefeitura.

    Em âmbito nacional, o Partido dos Trabalhadores, por meio da Fundação Perseu Abramo, reúne experiências que são frutos das administrações municipais petistas pelo País, das demandas populares e da realidade local.

    Combinar essas duas propostas é o objetivo de um debate com a militância do PT de Curitiba que acontecerá na próxima sexta-feira, dia 23, das 9h30 às 12h, na sede do diretório estadual do Partido (Alameda Princesa Izabel, 160, no bairro São Francisco).

    O convidado para essa discussão é o secretário-geral do PT Brasil, Elói Pietá, que por duas vezes foi prefeito de Guarulhos, SP. Pietá também é vice-presidente da Fundação Perseu Abramo e, além de Curitiba, fará debates com a militância petista de Maringá e Ponta Grossa.

    Para a vice-presidente do diretório municipal, Mírian Gonçalves, que coordenou a elaboração do plano de governo na candidatura de Gleisi e é indicada para conduzir os trabalhos em torno da proposta petista este ano, as experiências da Fundação Perseu Abramo são ricas em apontar metas e roteiros programáticos para os municípios.

    “Em 2008, fui pelo menos quatro vezes a São Paulo e nessas oportunidades é que pude conhecer iniciativas inovadoras das administrações petistas espalhadas por todo o país”, disse Mírian.

    “Há muitas ações que são práticas e fáceis de serem implementadas na solução de gargalos de desenvolvimento e para facilitar o acesso dos habitantes às políticas públicas ou simplesmente melhorar a vida das pessoas, mas que não aconteceram até hoje em Curitiba por não estarem na pauta de administrações cujo foco é diferente do nosso”, completou.

    O plano do PT para governar Curitiba engloba pelo menos 17 áreas de atuação, mas a coordenadora adianta que Saúde, Segurança Pública e Mobilidade são algumas das que mais demandam soluções, boas ideias e compromisso com a inclusão social.

    “Há uma série de medidas que um prefeito pode assumir, sim, no âmbito da segurança pública, embora o policiamento em si seja responsabilidade do Governo do Estado”, argumenta Mírian.

    Ela destaca que essas ações municipais têm o poder de colaborar para diminuir o grau de violência numa cidade e a falta delas piora o quadro, deixando a população refém da insegurança e também da omissão institucional.

    Para elaborar seu plano de governo, o PT de Curitiba colheu as demandas da população e dos movimentos sociais, por meio de sua inserção social, e levantou dados socioeconômicos do município, disponibilizados pelos organismos oficiais do poder público.



    Publicado por jagostinho @ 15:14



Os comentários NÃO representam a opinião do Blog do Jota Agostinho. A responsabilidade é EXCLUSIVA do autor da mensagem, sujeito à legislação brasileira.

2 Respostas

WP_Cloudy
  • Estefano Marçal Disse:

    Que militância? isso já acabou há muito tempo na petezada. Agora só querem gabinetes com sombra e agua fresca. Mas a hora do fim está chegando !!!

  • Jorjão Disse:

    Se existe ainda alguma militâncioa e voluntários são do PT. Sempre foram. Mas os meios da internet estão acabando até com isso. Uma pena.

Deixe um comentário

Por favor, atenção: A moderação de comentário está ativa e pode atrasar a exibição de seu comentário. Não há necessidade de reenviar o comentário.