Publicidade


      Red Apple Cosméticos

      CPV - Centro Paranaense da Visão

      Hospital Cardiológico Costantini

      Hotel Carimã

Twitter @blogdojota


  • 18jul

    FOLHA.COM

    Acusado de ser o “operador do mensalão”, o publicitário Marcos Valério definiu como será sua defesa na sustentação oral de uma hora que seu advogado terá no STF (Supremo Tribunal Federal).

    O tempo será usado para afirmar que não há dinheiro público envolvido no caso e que não está comprovada a compra de votos de parlamentares no Congresso.

    Valério é acusado de cinco crimes, entre eles formação de quadrilha e corrupção. O julgamento começa no dia 2 de agosto. Sua defesa, a cargo do advogado Marcelo Leonardo, será a quarta a se manifestar entre os réus.

    Marcelo Prates – 2.dez.2011/Hoje em Dia/Folhapress
    Marcos Valério, quando foi preso em dezembro
    Marcos Valério, quando foi preso em dezembro de 2011

     

    Ele dirá que os empréstimos de Valério registrados nos bancos Rural e BMG não são fictícios, como diz o Ministério Público.

    Segundo Leonardo, sua manifestação não trará novidades em relação ao que já foi apresentado por escrito. Ele repetirá que seu cliente não pode ser condenado pelas provas colhidas na CPI dos Correios e no inquérito da Polícia Federal.

    “O Código de Processo Penal diz que só pode condenar com base em provas colhidas em juízo. Portanto, não pode usar provas da CPI, nem do inquérito da PF.”

    Valério, que tem optado pelo silêncio, não deve ir a Brasília acompanhar o julgamento. “Ele está sério e preocupado”, diz o advogado.

    Segundo a denúncia, Valério usou duas empresas de propaganda das quais era sócio para receber recursos de órgãos públicos e repassá-los para políticos e partidos aliados do PT entre 2003 e 2004.

    Para tanto, acusa a Procuradoria, teria simulado empréstimos que chegam a pelo menos R$ 55 milhões nos bancos Rural e BMG. O intuito seria mascarar o uso de dinheiro público no esquema.

    Leonardo deverá dizer que os contratos com órgãos públicos foram executados e que o dinheiro repassado aos políticos saiu só dos empréstimos bancários.

    Já a defesa dos ex-sócios de Valério, Cristiano Paz e Ramon Hollerbach, irá afirmar que eles não acompanharam as tratativas com o PT.

    Publicado por jagostinho @ 13:08



Os comentários NÃO representam a opinião do Blog do Jota Agostinho. A responsabilidade é EXCLUSIVA do autor da mensagem, sujeito à legislação brasileira.

Deixe um comentário

Por favor, atenção: A moderação de comentário está ativa e pode atrasar a exibição de seu comentário. Não há necessidade de reenviar o comentário.