Publicidade


      Red Apple Cosméticos

      CPV - Centro Paranaense da Visão

      Hospital Cardiológico Costantini

      Hotel Carimã

Twitter @blogdojota


  • 06ago

    FOLHA DE SÃO PAULO

    Detalhes das sessões de tortura sofridas por Dilma na ditadura militar têm intrigado os brasileiros, informa matéria publicada pelo ‘New York Times’ no sábado (4).

    Com os avanços das investigações da Comissão da Verdade, muitas informações dos abusos do regime que perseguiu seus opositores políticos, incluindo a presidente, tornam-se públicas e vem “fascinando” o país.

    Os detalhes revelados pelas investigações abrangem diversas vítimas e algozes, e incluem os nomes dos torturadores de Dilma, como do oficial de reserva Maurício Lopes Lima, 76.

     Lopes foi um dos alvos de “esculacho”, protestos que tiram do anonimato os antigos militares com pichações e buzinaços na frente às suas residências.

    A publicação explica a atuação de Dilma na clandestinidade nos anos 1970, com sua atuação na organização de esquerda Var-Palmares, sua relação com o ex-marido Carlos Franklin Araújo e suas passagens pelas prisões militares.

    Desde de quando foi eleita, segundo o jornal, Dilma se recusou a fazer papel de vítima, enquanto tomava medidas para aumentar a transparência em relação aos dados dos anos da ditadura no Brasil.

    PASSADO

    O interesse faz parte da relação delicada com o recente passado autoritário do Brasil, somado à grande popularidade da presidente, que mesmo com a desaceleração da economia tem 77% de aprovação.

    Os veículos de comunicação buscam conhecer cada vez mais a vida íntima de Dilma, como seus hobbies, e também os relatos das sessões de tortura que sofreu, diz o jornal norte-americano.

    Os depoimentos da presidente sobre as sessões que sofreu vieram a público em junho passado, com a revelação de que ela foi torturada também em Juiz de Fora (MG), além de no Rio de Janeiro e em São Paulo, como já se sabia.

    Os relatos de Dilma contam como era a tortura, nas quais ela sofreu com sessões de palmatória, pau de arara e espancamentos.

     

    Presidente Dilma se emociona durante a cerimonia de Instalação da Comissão Nacional da Verdade, em maio

    PERFIL

     

    A personalidade forte de Dilma, diz o texto, chama a atenção dos brasileiros. Seu estilo “linha-dura” e sua fama de fazer chorar até experientes chefes de governo com suas broncas transformou a presidente em alvo de inúmeras sátiras e paródias, algo que seria impensável para um presidente na ditadura militar.

    O jornal compara a trajetória de guerrilheira de Dilma com a ex-presidente do Chile, Michelle Bachelet, e o presidente do Uruguai, José Mujica, também ex-militantes de esquerda que combateram regimes totalitários em seus países na década de 70.

    Publicado por jagostinho @ 09:36



Os comentários NÃO representam a opinião do Blog do Jota Agostinho. A responsabilidade é EXCLUSIVA do autor da mensagem, sujeito à legislação brasileira.

Deixe um comentário

Por favor, atenção: A moderação de comentário está ativa e pode atrasar a exibição de seu comentário. Não há necessidade de reenviar o comentário.