Publicidade


      Red Apple Cosméticos

      CPV - Centro Paranaense da Visão

      Hospital Cardiológico Costantini

      Hotel Carimã

Twitter @blogdojota


  • 29ago

    FOLHA.COM

    O ministro do STF (Supremo Tribunal Federal) Marco Aurélio Mello disse nesta terça-feira que mudou de ideia sobre a duração do julgamento do mensalão e diz acreditar que ele deve terminar até o fim de setembro.

    Mello afirmou também que aumentou a noção de cidadania no país e agora os brasileiros precisam votar em políticos “dignos”.

    Ao ser indagado se concordava com a afirmação feita ontem pela ministra Cármen Lúcia de que “o Brasil mudou”, o ministro disse: “Creio que há uma noção maior de cidadania. Os brasileiros estão avançando culturalmente. Eu espero que eles avancem agora nas eleições e escolham representantes que sejam dignos”.

    O magistrado afirmou que o ritmo dos trabalhos de ontem no STF mostrou que o julgamento do mensalão deve acabar em setembro.

      Lula Marques -6.ago.2012/Folhapress  
    Os ministros Marco Aurélio Mello (à esq.) e Cezar Peluso durante sessão do STF
    Os ministros Marco Aurélio Mello (à esq.) e Cezar Peluso durante sessão do STF

     

    “Já estou acreditando que vamos ter um veredicto até o término de setembro. Eu receava que o processo fosse para 2013. Agora não. Ontem foi um dia de gala para o Supremo. Se continuarmos como ontem vamos ter a conciliação de dois valores: celeridade e conteúdo”, disse.

    O ministro disse que pouco antes da sessão de segunda-feira perguntou ao ministro relator Joaquim Barbosa se ele iria fazer uma réplica ao voto do revisor Ricardo Lewandowski.

    Ante a negativa de Barbosa, Mello disse que parabenizou o relator.

    “Nós imaginamos que [Barbosa e Lewandowski] iam partir para se digladiarem e houve um recuo do relator em boa hora. Não cabe fustigar voto de colega, disse bem o ministro Luiz Fux. Fumaram em boa hora o cachimbo da paz”, afirmou.

    Indagado se Barbosa teria explicado porque mudou de ideia, Mello disse: “Foi iluminado, certamente”.

    O magistrado também afirmou que os colegas de corte decidiram não fazer sessões extras pelas manhãs para julgar outros casos além do mensalão.

    “Os ministros estão no limiar dos esforços possíveis e a maratona não foi acolhida. Seria uma verdadeira maratona com sessões o dia inteiro”, afirmou.

    Porém, mesmo após o fim do mensalão o STF manterá sessões extras nas tardes de segunda-feira, até dezembro, segundo o magistrado.

    Mello também disse não acreditar que o ministro Cezar Peluso, que se aposenta no próximo dia 3, tente apresentar um voto na íntegra para todos os réus do mensalão.

    O julgamento está sendo realizado de forma segmentada, por blocos de crimes. Para o ministro, Peluso estaria passando por cima dos votos do relator e do revisor em relação aos assuntos ainda não julgados caso antecipasse seu voto completo, o que violaria o regimento interno do STF.

    “É impensável, inconcebível, e contraria a ordem natural das coisas”, disse sobre o eventual voto na íntegra de Peluso.



    Publicado por jagostinho @ 10:26



Os comentários NÃO representam a opinião do Blog do Jota Agostinho. A responsabilidade é EXCLUSIVA do autor da mensagem, sujeito à legislação brasileira.

Deixe um comentário

Por favor, atenção: A moderação de comentário está ativa e pode atrasar a exibição de seu comentário. Não há necessidade de reenviar o comentário.