Publicidade


      Red Apple Cosméticos

      CPV - Centro Paranaense da Visão

      Hospital Cardiológico Costantini

      Hotel Carimã

Twitter @blogdojota


  • 12mar

    ONIBUS LOTADO

    G1-PR

    O prefeito de Curitiba, Gustavo Fruet (PDT) afirmou nesta segunda-feira (11) que irá garantir o preço da tarifa na capital paranaense mesmo sem a ajuda do governo estadual.

    Porém, para fechar a conta do preço único da passagem em Curitiba e nos 13 municípios da Região Metropolitana, o prefeito disse que será necessário dinheiro do governo do Paraná.

    “Se não houver a renovação do convênio é evidente que, juridicamente, a responsabilidade é transferida para o estado, e nós vamos ajudar a encontrar fonte de financiamento. Agora, o que não é justo e, deixar bem claro, eu não vou transferir todo o subsídio que o governador está tirando para o bolso do trabalhador de Curitiba. Eles querem um aumento para R$ 3,10. A resposta é não”, afirmou Fruet.

    Na terça-feira (5), o governador do Paraná, Beto Richa (PSDB), anunciou que não irá renovar o subsídio concedido à prefeitura para o valor da tarifa do transporte coletivo.

    O convênio assinado vence em maio de 2013 e ajuda a administração municipal a manter o preço da passagem abaixo da chamada “tarifa técnica”, que é o custo efetivo do serviço.

    O convênio entre governo e prefeitura foi assinado em 2012, ainda na gestão do ex-prefeito Luciano Ducci (PSB). O dinheiro repassado pelo governo fez com que o preço da passagem pudesse ser mantido em R$ 2,60 e havia a expectativa de que o acordo pudesse ser renovado em 2013.

    Richa só garantiu, porém, o repasse do dinheiro até o fim do atual convênio – contrariando pedido feito pelo atual prefeito.

    Também nesta segunda-feira, o governador afirmou que a responsabilidade do transporte coletivo é da administração municipal e não do governo estadual ou federal.

    Ele ainda disse que, a possibilidade de que a integração do transporte entre a capital e a Região Metropolitana acabe, o preocupa, mas que não acredita que isso aconteça.

    “Seria inusitado na história do transporte coletivo de Curitiba e Região Metropolitana. Vários prefeitos passaram pela prefeitura, nenhum prefeito até hoje, com exceção do Luciano Ducci e do próprio Gustavo, tiveram qualquer auxílio, qualquer subsídio para contribuir na passagem de ônibus. E nisso eu incluo eu próprio”.

    O fator que mais pesa na conta é a folha de pagamento de motorista e cobradores. O valor da nova passagem para a capital do estado só irá sair depois que patrões e empregados terminarem a negociação do reajuste salarial.

    Em assembleia, realizada nesta segunda-feira, motoristas e cobradores rejeitaram a proposta das empresas de aumento de 8%.

    Os vereadores de Curitiba querem que a prefeitura deixe de cobrar o Imposto sobre Serviços (ISS) do transporte coletivo e reduza pela metade a taxa de gerenciamento cobrada pela Urbanização de Curitiba (Urbs).

    De acordo com os vereadores, a medida poderia baixar o preço da passagem em R$ 0,32.

    Publicado por jagostinho @ 10:27



Os comentários NÃO representam a opinião do Blog do Jota Agostinho. A responsabilidade é EXCLUSIVA do autor da mensagem, sujeito à legislação brasileira.

Deixe um comentário

Por favor, atenção: A moderação de comentário está ativa e pode atrasar a exibição de seu comentário. Não há necessidade de reenviar o comentário.