Publicidade


      Red Apple Cosméticos

      CPV - Centro Paranaense da Visão

      Hospital Cardiológico Costantini

      Hotel Carimã

Twitter @blogdojota


  • 18abr

    UCHO.INFO

    Presidente do Tribunal Superior do Trabalho (TST), o ministro Carlos Alberto Reis de Paula defendeu, na terça-feira (16), “cuidado” na regulamentação da Emenda Constitucional estendeu aos empregados domésticos os direitos dos demais trabalhadores.

    Nesta quarta-feira (17), o presidente do TST recebeu  no seu gabinete o senador Romero Jucá (PMDB-RR), relator do projeto que regulamenta a matéria, que como antecipou o ucho.info poderia ter aguardado mais algumas semanas para ser divulgada por completo, sem provocar o alarde que tomou conta de muitos lares brasileiros.

    Reis de Paula destacou que cabe aos parlamentares estabelecer no projeto medidas que “respeitem a realidade do Brasil”. O magistrado lembrou que pontos como a jornada de trabalho para profissionais como babás e cuidadores carecem de definição clara.

    O presidente do TST também mencionou problemas que devem ser corrigidos na regulamentação da Emenda, como o pagamento de multa de 40% do valor do Fundo de Garantia do Tempo de Serviço (FGTS) em caso de demissão sem justa causa.

    “Esse percentual é destinado às empresas e não à renda familiar”, ponderou. Fora isso, é preciso definir qual é a interpretação de justa causa na seara do trabalho doméstico, pois em muitos casos, relatados à redação do ucho.info, empregados já criam as mais variadas dificuldades para a regulamentação da relação trabalhista.

    De igual modo, o Tribunal Superior do Trabalho precisa definir em caráter definitivo o período mínimo de trabalho para que não configure vínculo empregatício, pois o tema é motivo de dúvidas generalizadas e tem provocado muitas demissões.

    Advogado faz alerta

    joseeduardo_yunis_01Especialista em Direito do Trabalho e um dos mais conceituados advogados trabalhistas do País, José Eduardo Dias Yunis(foto) é cético em relação ao tema.

    Yunis garante que o vínculo trabalhista independe da carga horária, mas de uma relação de subordinação.

    Caso prevaleça esse entendimento – lógico, diga-se de passagem – os tribunais receberão em breve uma enxurrada de ações.

    A tese defendida por José Eduardo Yunis começa a ganhar força na Justiça Trabalhista e não demorará muito para ser consenso entre os magistrados.

    Confirmado esse cenário, a situação de empregadores e empregadores no cenário laboral doméstico será diferente e conturbado.

      

    Publicado por jagostinho @ 14:53



Os comentários NÃO representam a opinião do Blog do Jota Agostinho. A responsabilidade é EXCLUSIVA do autor da mensagem, sujeito à legislação brasileira.

Deixe um comentário

Por favor, atenção: A moderação de comentário está ativa e pode atrasar a exibição de seu comentário. Não há necessidade de reenviar o comentário.