Publicidade


      Red Apple Cosméticos

      CPV - Centro Paranaense da Visão

      Hospital Cardiológico Costantini

      Hotel Carimã

Twitter @blogdojota


  • 03jul

    FOLHA.COM

    A ministra Helena Chagas (Comunicação Social) afirmou que, em cinco anos, a internet poderá ultrapassar a televisão como destinatária de verbas publicitárias, mas ressaltou que é importante distinguir por importância e abrangência os sites a serem beneficiados.

    Ela participou nesta terça-feira (2) de reunião da comissão de Cultura da Câmara dos Deputados sobre a distribuição de verba de propaganda do governo federal.

    Chagas defendeu o atual critério de distribuição dos recursos, baseado em audiência e regionalização dos veículos, mas reconheceu que mudanças podem ser feitas diante do crescimento de importância de meios como a internet.

    “Nós temos que fazer essa mensagem chegar ao maior número de pessoas, nos lugares mais distantes, pelo menor custo possível”, afirmou.

      Zanone Fraissat/Folhapress  
    Helena Chagas, ministra de Comunicação Social, na Entrega do premio Revista Claudia
    Helena Chagas, ministra de Comunicação Social, na Entrega do premio Revista Claudia

     

    Apesar de defender uma maior destinação de recursos para a televisão, ela indicou que esse percentual pode ser alterado nos próximos anos.

    “O meio televisão ainda é o que tem mais audiência. Agora, o meio internet está crescendo. Daqui a cinco anos, eu acho que o meio televisão já vai estar menor do que o meio internet.”

    A ministra ponderou, no entanto, ser necessário evoluir para definição de critérios sobre como repassar os recursos para a web. Para ela, não se pode comparar “bananas com laranjas, um portal com um blog pequeno”.

    Ela afirmou que a Secom (Secretaria de Comunicação Social) encomendou estudo sobre possibilidade de tratamento diferenciado a sites da internet.

    Eventuais mudanças na distribuição, disse, podem ser feitas por um projeto de lei.

    “Seria muito bom se saísse desse debate uma regulação, porque nosso critério atualmente é definido por portarias e decretos do Poder Executivo. Não existe uma lei que trate dessa destinação. Acho que é um debate que deve ser objeto de legislação debatida no Congresso.”

    Os convidados da reunião defenderam a necessidade de democratizar os recursos repassados aos veículos de comunicação.

    Além da ministra, participaram do encontro Luís Nassif, jornalista e blogueiro, Renata Mielli, secretária-geral do Centro de Estudos da Mídia Alternativa Barão de Itararé, e representantes de rádios e TVs comunitárias.

    O diretor-presidente da EBC, Nelson Breve, também participou do encontro.

     

    Publicado por jagostinho @ 13:32



Os comentários NÃO representam a opinião do Blog do Jota Agostinho. A responsabilidade é EXCLUSIVA do autor da mensagem, sujeito à legislação brasileira.

Deixe um comentário

Por favor, atenção: A moderação de comentário está ativa e pode atrasar a exibição de seu comentário. Não há necessidade de reenviar o comentário.