Publicidade


      Red Apple Cosméticos

      CPV - Centro Paranaense da Visão

      Hospital Cardiológico Costantini

      Hotel Carimã

Twitter @blogdojota


  • 12jul

    UCHO.INFO

    aloizio_mercadante_26Em discurso no plenário da Câmara dos Deputados, nesta quinta-feira (11), o líder do Democratas, Ronaldo Caiado (GO), afirmou que o ministro Aloizio Mercadante (Educação) tenta transferir a incompetência do Executivo ao Congresso Nacional.

    Caiado repudiou declaração de Mercadante ao jornal “Folha de S. Paulo”, de que o eleitor cobrará caro do parlamento a não realização do plebiscito sobre reforma política.

    “Veja o quanto os porta-vozes do governo são inescrupulosos. Mercadante, ministro e ex-senador, deveria ter um conhecimento mínimo de Constituição e Regimento Interno quando induz a população que estamos impedindo a consulta popular”. “

    O plebiscito já foi feito e o povo disse nas passeatas que quer é uma saúde de qualidade, uma educação que seja compatível para nossos jovens, uma mobilidade urbana. É fazer com que os mensaleiros não fiquem apenas no julgamento e sejam cumpridas as penas”, disse.

    “O povo está cansado da corrupção que se alastra pelo País, na Copa, no BNDES, o Eike Batista e os cartéis quebrando um banco popular. Podemos mostrar a corrupção na Petrobras com o escândalo da compra da refinaria de Pasadena (EUA)”.

    “78% da população diz que esse governo oferece um péssimo sistema de saúde. Então, Mercadante, não venha esconder as mazelas desse governo tentando repassar para o Congresso Nacional a incompetência do Executivo”, disse.

    “Mercadante, o sistema é presidencialista. Não queira jogar a falência do governo Dilma nas costas do Congresso. Quem não investe em educação, saúde, segurança e combate à corrupção é a presidente Dilma que tem o poder da caneta”, finalizou o líder democrata.

    Jogo covarde

    Elevado a “office-boy” da crise política que ronda o governo do PT, Mercadante foi transformado em interlocutor de Dilma Rousseff durante o período de instabilidade que parece não ter fim.

    Pífio como senador, o agora ministro da Educação é a aposta alternativa do Palácio do Planalto para disputar o governo de São Paulo pelo PT.

    Enquanto o ex-presidente Lula insiste em fazer do ministro Alexandre Padilha (Saúde) o candidato petista ao Palácio dos Bandeirantes, Dilma joga em duas frentes, sendo a primeira o ministro da Justiça, José Eduardo Martins Cardozo, que continua sem justificar sua indicação ao cargo.

    A queda de braços entre Dilma e Lula ficou evidente com o esvaziamento da Secretaria de Relações Institucionais, comandada pela ainda ministra Ideli Salvatti, que como todos sabem é obediente ao ex-metalúrgico.

    Enquanto os petistas de digladiam nos bastidores do poder, o governo tenta, equivocadamente, passar à opinião pública que a culpa pela crise é do Legislativo.

    Essa manobra rasteira não deve acabar bem, pois Dilma está desdenhando a peçonha de deputados e senadores, começando pelos da chamada base aliada.

    O primeiro sinal da intifada que pode estourar a qualquer momento surgiu com a decisão de Renan Calheiros apoiar a apresentação de um requerimento que cobra detalhamento de todas as viagens realizadas com aviões da Força Aérea Brasileira desde 2002.

    Ignorar o poço de maldades do PMDB é querer cometer suicídio político.

    Publicado por jagostinho @ 16:08



Os comentários NÃO representam a opinião do Blog do Jota Agostinho. A responsabilidade é EXCLUSIVA do autor da mensagem, sujeito à legislação brasileira.

Deixe um comentário

Por favor, atenção: A moderação de comentário está ativa e pode atrasar a exibição de seu comentário. Não há necessidade de reenviar o comentário.