Publicidade


      Red Apple Cosméticos

      CPV - Centro Paranaense da Visão

      Hospital Cardiológico Costantini

      Hotel Carimã

Twitter @blogdojota


  • 20jul

    FOLHA.COM

    Quinze cartas, uma estratégia criativa e a coincidência com os preparativos para a visita ao Rio de Janeiro asseguraram ao ciclista gaúcho Leandro Martins, 30, um encontro com o papa Francisco em pleno Vaticano.

    “O papa disse: ‘Na semana que vem, encontraremos milhões de jovens brasileiros, e você é o primeiro deles'”, recorda Martins, que esteve com Francisco nesta quinta-feira (18), por volta das 7h.

    O caminho para conseguir o encontro, conta o ciclista, foi endereçar as cartas a um assessor do papa, cujo nome ele não revela.

    Já o convite ocorreu na véspera, por meio de uma ligação do secretário particular do papa.

    Martins disse que chegou de bicicleta à casa de Santa Marta, a residência oficial, onde acompanhou uma missa antes do encontro.

    Desacostumado ao ritual –ele se diz sem religião–, não percebeu a entrada do pontífice.

    “O papa estava de verde, eu esperava que fosse branco. Depois, ele trocou.”

    Arquivo pessoal
    Leandro Martins, ciclista gaúcho que escreveu para o papa e se encontrou com ele no Vaticano
    Leandro Martins, ciclista gaúcho que escreveu para o papa e se encontrou com ele no Vaticano

     

    Na conversa após a missa, em espanhol, o papa fez perguntas sobre a viagem, que começou em maio na Holanda e deve terminar na Ásia.

    “Vendo a bicicleta cheia de mochilas, ele perguntou: ‘Como você dorme?'”.

    “Foi quando quando eu disse que tem louco no mundo todo, inclusive em Porto Alegre. A gente riu, e o papa disse: ‘A vida é louca'”.

    Martins disse que os dois falaram sobre religião, mas não quer revelar o teor da conversa.

    Os protestos foram mencionados por Martins, que fez uma descrição positiva.

    “Falei que era como o choro, uma forma de colocar pra fora o que está sufocando, e o papa concordou, disse: ‘É, sim’.”

    Outro tema foi a tragédia de Santa Maria (RS). O papa disse que não irá à cidade por causa da distância, mas que lembrará as vítimas no Rio.

    A impressão que ficou é de uma pessoa simples.

    “Parece que ele não sabe que é o papa. Ele é normal, cumprimentou a Guarda Suíça [segurança do Vaticano], abanou, esse tipo de coisa que é… normal.”

     

     

    Publicado por jagostinho @ 11:43



Os comentários NÃO representam a opinião do Blog do Jota Agostinho. A responsabilidade é EXCLUSIVA do autor da mensagem, sujeito à legislação brasileira.

Deixe um comentário

Por favor, atenção: A moderação de comentário está ativa e pode atrasar a exibição de seu comentário. Não há necessidade de reenviar o comentário.