Publicidade


      Red Apple Cosméticos

      CPV - Centro Paranaense da Visão

      Hospital Cardiológico Costantini

      Hotel Carimã

Twitter @blogdojota


  • 09abr

    CAIXA ZERO/ROGERIO GALINDO/GAZETA DO POVO

    HELISULBeto Richa autorizou na semana passada um aditivo do contrato com a Helisul, e a empresa poderá continuar alugando aeronaves para o governo do estado por mais um ano.

    Há um avião e um helicóptero no pacote. Os dois ficam à disposição de Richa – o governo entra com a tripulação. A locação do helicóptero sairá por até R$ 438 mil (o valor é um teto, paga-se quando há uso).

    Valor modesto, quando comparado ao teto de mais um ano de jatinho alugado: R$ 4,1 milhões. Para um estado que anda tendo dificuldade para pôr combustível em viatura da polícia, nada desprezível.

    Ninguém nega que o governador precise se deslocar com rapidez. Sem transporte específico, corre-se o risco de passar o vexame que Richa passou no início de seu governo.

    O governador foi descoberto em aeronave alheia, em voo escondido que só veio à tona porque o helicóptero teve problemas em São Paulo.

    Se a comunicação do Palácio Iguaçu não relatasse o susto do governador, não se saberia que Richa andava voando de favor em aeronaves particulares.

    Usar jatinhos alheios pode acabar em custo bem maior, como mostram exemplos recentes. Demóstenes Torres e André Vargas que o digam.

    Na comparação, o aluguel por meio de licitação é, pelo menos, lícito. No entanto, e principalmente em um governo que prometeu fazer “mais com menos” e “fechar as torneiras do desperdício”, é o caso de analisar se a decisão foi a melhor possível do ponto de vista financeiro.

    Para isso, o melhor caminho é voltar-se ao ano de 2011. Em seu início de mandato, Richa decidiu rifar duas aeronaves do patrimônio público.

    As duas foram dadas por inservíveis. Uma era um King Air – turbo-hélice de 1968 que acabou passado nos cobres por R$ 449 mil. Havia sido declarada como inservível por Eloy Biezus.

    “O risco à integridade do governador é muito grande”, disse em entrevista a Sandro Moser publicada nesta Gazeta. Não é surpresa que o próprio Biezus tenha comprado o avião inservível para uso pessoal?

    O outro avião vendido pela gestão Richa era Citation II. Pegou R$ 1,3 milhão em venda para a Lym Participações. Ao contrário do King Air, é um jato. Também é mais novo: sua fabricação é de 1984.

    Outra surpresa? As duas aeronaves que não prestavam para nada e que por isso deveriam ser vendidas continuam em circulação.

    De acordo com o Registro Aeronáutico Brasileiro, mantido pela Agência Nacional de Aviação Civil, ambas estão em condições normais de uso e com certificados para voar até 2019, pelo menos.

    Mesmo que Richa se reeleja, poderia continuar voando com os dois até o fim do segundo mandato sem nem precisar de novos certificados.

    Quem quiser pode consultar a situação dos dois aviões no site da Anac, em www.anac.gov.br. Basta digitar seus prefixos (PP-EIF para o King Air e PP-EUE para o Citation da Cessna).

    Na ponta do lápis, Eloy Biezus, o dono da Helisul, está recebendo no caixa de sua empresa até R$ 12 mil por dia do governo do estado pelo contrato.

    Em 37 dias, isso seria suficiente para quitar o avião que comprou do governo do estado e que agora usa para fins particulares. O governo, além do desembolso, ficou sem o patrimônio que tinha no hangar.

    Publicado por jagostinho @ 08:20



Os comentários NÃO representam a opinião do Blog do Jota Agostinho. A responsabilidade é EXCLUSIVA do autor da mensagem, sujeito à legislação brasileira.

Deixe um comentário

Por favor, atenção: A moderação de comentário está ativa e pode atrasar a exibição de seu comentário. Não há necessidade de reenviar o comentário.