Publicidade


      Red Apple Cosméticos

      CPV - Centro Paranaense da Visão

      Hospital Cardiológico Costantini

      Hotel Carimã

Twitter @blogdojota


  • 01maio

    VEJA.COM

    João Marcello Erthal
    Malta se apresenta na primeira fase do 'SuperStar'
    Malta se apresenta na primeira fase do ‘SuperStar’ (Divulgação/TV Globo)

    Fernanda Lima avisa que o show vai começar, e em milhares de tablets e celulares, o público passa a decidir o SuperStar.

    Tudo ao vivo. Ou quase tudo: o espectador nem percebe, mas no ‘The Voice’ de bandas, a música é previamente gravada.

    É playback? Sim. É desonesto? Pelo menos com os concorrentes, não. Todos passam pelo mesmo processo: os instrumentos são gravados em estúdio na véspera de cada episódio, e só os cantores de fato são jogados aos leões, submetidos à aprovação popular.

    Para quem assiste do sofá de casa, no entanto, a revelação de que os músicos estão fingindo tocar talvez tire parte da graça.

    O formato do SuperStar é cheio de armadilhas e pontos sujeitos a falhas – tanto que, na abertura, um problema no aplicativo deixou milhares de espectadores sem conseguir votar.

    Fora a música – logo ela! – tudo acontece em tempo real, com cacos e puxões de orelha de Fernanda Lima, piadas de André Marques, jogadas de cabelo de Fernanda Paes Leme e as papadas de mosca dos três jurados – Ivete Sangalo, Dinho Ouro Preto e, em especial, Fábio Jr.

    Um músico que participou da primeira fase conta que, inicialmente, sentiu-se frustrado por não tocar de verdade. Mas logo entendeu o motivo.

    “Tem gente profissional, mas também tem muitos amadores. A chance de alguém ficar nervoso e errar na hora H é enorme, e isso seria péssimo para o programa. Como gravamos tudo junto, não fica parecendo playback”, afirma.

    Esse é o segredo: os instrumentos – bateria, guitarras, teclados, baixo, sopros e o todo o resto – são gravados juntos, para dar a sensação de show, como em um “disco ao vivo”.

    Um estúdio de ponta, montado na área de reality shows do Projac, permite gravações de altíssimo nível, mas não interessa ao ‘Superstar’ parecer perfeito demais.

    Só o bastante para, como se viu até agora, nenhum músico cometer deslizes, apesar de toda a tensão envolvida.

    Os jurados são só elogios para a parte musical. “Meu, esse baixo…”, disse Dinho, a uma banda de reggae.

    “Valeu, batera!”, já disse Ivete a um baterista que mexeu com o coração da baiana. As críticas acabam, sempre, centradas nos cantores, que são os únicos sujeitos a erro, deslizes e nervosismo em cada apresentação.

    Mesmo para os mais observadores é difícil perceber que a música é um playback.

    Além do tipo de gravação, as câmeras nunca mostram de frente o início de cada música.

    Assim que Fernanda Lima dá o OK para os dois minutos de show, o espectador passa a ver o palco de cima e a parte interna do telão, com o “3, 2, 1…”. É o tempo necessário para os músicos começarem a fingir.

    Não se pode dizer que esse detalhe desmereça o SuperStar.

    O programa passa longe da encenação tosca que já foi usada em programas de auditório – Cassino do Chacrinha, Faustão, Globo de Ouro, festas de grandes eventos e “shows enganação”, como Britney Spears e Justin Bieber.

    Mas é certo que, no momento da votação, o público não está avaliando a competência de grupos musicais – afinal, como repete o mágico da enigmática cena do Club Silencio, de Cidade dos Sonhos (Mulholland Drive), do diretor David Lynch, ‘no hay banda’.

    Publicado por jagostinho @ 18:53



Os comentários NÃO representam a opinião do Blog do Jota Agostinho. A responsabilidade é EXCLUSIVA do autor da mensagem, sujeito à legislação brasileira.

2 Respostas

WP_Cloudy
  • tony Disse:

    Bandas de domingo agora que passaram, atingiram os 70% e nao ficaram. Tinha que fazer o que foi divulgado desde o começo, e nao ficar mudando as regras. Eram 50 bandas a se apresentarem…onde estao o resto das bandas…???
    Outra coisa, teve banda que o povo pelo voto, nao escolheria, e só passaram pois algum jurado votou…observei 2 lances muito estranhos, um de uma dupla sertaneja, em que os jurados nao queriam apadrinhar, e um lance de um sanfoneiro, que só passou pois a Ivete é amiga do pai dele. Outro lance, banda é banda, dupla sertaneja paga os musicos, entao nao é banda, e outra foi o caso deste sanfoneiro, ele é o dono, ele paga para os musicos, isso nao é o conceito de banda que o programa estava divulgando.
    Tudo armaçao…já tem quem vai ganhar, tudo armado, te garanto que a maioria dos aprovados, nao se inscreveram no site, foram “indicados”, tenho quase certeza disso.

  • Roberto Disse:

    … o pior é que a maioria dos instrumentos é gravado pela banda do programa e nåõ pelas bandas … ai é demais

Deixe um comentário

Por favor, atenção: A moderação de comentário está ativa e pode atrasar a exibição de seu comentário. Não há necessidade de reenviar o comentário.