Publicidade


      Red Apple Cosméticos

      CPV - Centro Paranaense da Visão

      Hospital Cardiológico Costantini

      Hotel Carimã

Twitter @blogdojota


  • 03maio

    UCHO.INFO

    paulinho_09Corrupção é algo inaceitável, mas no Brasil esse tipo de crime cresce de maneira assustadora, mas a extensa maioria dos culpados acaba beneficiada pela impunidade.

    Como sabem os leitores, política só se faz à base de muito dinheiro, o que leva os políticos a se envolverem cada vez mais em escândalos de corrupção.

    Na festa promovida pela Força Sindical em comemoração ao 1º de Maio, o deputado federal Paulo Pereira da Silva (SDD-SP) aproveitou o evento para fazer duras críticas ao governo do PT e à presidente Dilma Rousseff, que no dia anterior ocupou a cadeia de rádio e televisão para um pronunciamento oficial cheio de armadilhas e escandalosamente eleitoreiro.

    Críticas aos ocupantes do poder são necessárias, desde que responsáveis, até porque rédea solta significa desmandos, mas Paulinho da Força, como é conhecido o parlamentar, abusou da deselegância ao afirmar que por causa da polêmica compra da refinaria de Pasadena a petista Dilma deveria estar no presídio da Papuda, em Brasília, onde cumprem pena alguns dos condenados na Ação Penal 470 (Mensalão do PT).

    A essência democracia está no equilíbrio de forças e na convivência pacífica de opiniões divergentes, mas no Brasil a toada é diferente.

    Acostumaram-se os políticos a conviver ao redor de um imundo balcão de negócios, sendo que o escambo torna-se cada vez mais caro e impraticável.

    O ucho.info não está a defender a presidente Dilma no caso de Pasadena, que por comandar à época do negócio o Conselho de Administração da Petrobras é responsável pela trapalhada, mas não é da forma como sugeriu Paulinho que faz-se política e muito menos vive-se em um regime supostamente democrático.

    O Estado brasileiro tem Poderes constituídos e os cidadãos devem cobrar a apuração dos fatos com a devida participação do Judiciário.

    Ademais, não custa lembrar que Paulo Pereira da Silva está a anos-luz de ser a pessoa mais adequada para acusar adversários políticos de envolvimento em supostos casos de corrupção.

    No rastro da Operação Santa Tereza, a Polícia Federal flagrou, em 2008, o deputado em um esquema de desvio de recursos emprestados pelo Banco Nacional de Desenvolvimento Econômico e Social (BNDES) a prefeituras e empresas.

    O relatório da PF serviu de base para o pedido de prisão de onze suspeitos de envolvimento no esquema criminoso.

    O nome de Paulo Pereira da Silva não foi incluído na investigação por conta da prerrogativa de foro.

    Foi uma estratégia inteligente da Polícia Federal, pois a inclusão do nome de Paulinho anularia a investigação, uma vez que em casos como esse a legislação vigente exige autorização do Supremo Tribunal Federal para que um parlamentar seja investigado.

    Entre os citados no relatório da PF apareceu o nome de João Pedro de Moura, então assessor de Paulinho na Força Sindical.

    Na ocasião, a PF classificou Moura como “um dos principais assessores da Força Sindical, responsável pela ligação da organização criminosa com o banco [BNDES]“.

    No relatório, a PF destaca que, em 13 de fevereiro de 2008, Moura foi fotografado chegando à Câmara. O assessor seguiu para o gabinete de Paulo Pereira da Silva carregando uma mochila.

    “É mister perceber, que João Pedro de Moura desembarca pela manhã levando uma mochila, a qual não é mais vista com ele durante o decorrer do dia”, frisa o documento da Polícia Federal.

    O Brasil não vive o seu melhor momento político, até porque o que prevalece atualmente é uma impressionante “cleptocracia”, mas essa enxurrada de acusações, de parte a parte, mostra que o País tornou-se refém de acirrada guerra entre quadrilhas que se valem de mandatos eleitorais para permanecer na trincheira da impunidade.

    Publicado por jagostinho @ 17:32



Os comentários NÃO representam a opinião do Blog do Jota Agostinho. A responsabilidade é EXCLUSIVA do autor da mensagem, sujeito à legislação brasileira.

Deixe um comentário

Por favor, atenção: A moderação de comentário está ativa e pode atrasar a exibição de seu comentário. Não há necessidade de reenviar o comentário.