Publicidade


      Red Apple Cosméticos

      CPV - Centro Paranaense da Visão

      Hospital Cardiológico Costantini

      Hotel Carimã

Twitter @blogdojota


  • 08maio

    repassando6

    CELSO NASCIMENTO/GAZETA DO POVO

    A entrevista do governador Beto Richa no programa Roda Viva, transmitida em rede nacional pela TV Cultura, foi na segunda-feira à noite.

    Ainda assim, já passados quatro dias, quem a assistiu provavelmente ainda não se recuperou do espanto. Por várias razões.

    A primeira delas, pela inusitada segurança com que enfrentou as perguntas que alguns dos entrevistadores imaginavam poderiam causar-lhe algum embaraço. Que nada!

    Saiu-se delas com a mesma singela habilidade de quem furta o doce de uma criança distraída.

    Os 90 minutos da entrevista deram a Richa a oportunidade de apresentar ao povo do Brasil um Paraná e um governador que os paranaenses não conhecem.

    E é neste ponto que reside a segunda razão do espanto: entre os que conhecem o Paraná e o atual governador e que ainda não perderam lucidez para avaliar resultados efetivos de uma administração pública – seja deste ou de governantes passados – nem de longe se comoveram com a dissertação positiva que ele fez a respeito da eficiência da própria gestão.

    Os mais atentos foram logo percebendo, ao longo da entrevista, os rastros que o governador Beto Richa ia deixando por onde passava.

    Por exemplo: após quase quatro anos de gestão, continuou ainda afirmando que, se mais não fez pelo estado, foi em razão das dívidas que recebeu dos antecessores.

    E se não pode colocar as finanças em dia não foi por culpa sua, mas porque foi sabotado pela União e pelos dois senadores que lhe fazem oposição.

    Eles, a União e os senadores, criaram-lhe problemas para contrair empréstimos que somam pouco mais de R$ 3 bilhões.

    Pergunta-se: então o choque de gestão que prometera na campanha estava assentado apenas nos empréstimos?

    Para quem não sabe: tais empréstimos representam menos de 3% dos R$ 140 bilhões de arrecadação dos seus quatro anos de mandato.

    Logo, a ausência de marcas administrativas que vai legar para si mesmo ou para o sucessor a partir do ano que vem será devida apenas porque lhe faltaram 3% de orçamento?

    Não é espantoso?

    Publicado por jagostinho @ 16:39



Os comentários NÃO representam a opinião do Blog do Jota Agostinho. A responsabilidade é EXCLUSIVA do autor da mensagem, sujeito à legislação brasileira.

Deixe um comentário

Por favor, atenção: A moderação de comentário está ativa e pode atrasar a exibição de seu comentário. Não há necessidade de reenviar o comentário.