Publicidade


      Red Apple Cosméticos

      CPV - Centro Paranaense da Visão

      Hospital Cardiológico Costantini

      Hotel Carimã

Twitter @blogdojota


  • 10maio

    UCHO.INFO

    dilma_rousseff_407Há algo errado nas coxias do Partido dos Trabalhadores. No último dia 3 de maio, em São Paulo, durante o XIV Encontro Nacional do PT, o ex-presidente e agora lobista Lula disse diante de plateia petista que a única candidata à Presidência pelo partido era Dilma Rousseff.

    A declaração, nada convincente, serviu para estancar momentaneamente o movimento “Volta Lula”, que saiu dos domínios petistas e conquistou alguns partidos da chamada base aliada.

    Manda o bom senso que uma declaração como a de Lula, feita diante de Dilma e muitos integrantes da cúpula partidária, deve ser levada a sério.

    Acontece que o prazo de validade da declaração do ex-metalúrgico era curto e a cantilena retomou a cena política.

    É fato que isso não aconteceu na seara política, propriamente dita, mas na mais recente pesquisa Datafolha sobre a sucessão presidencial.

    Em uma das simulações sobre quem venceria a corrida presidencial, o instituto inseriu Lula como sendo o candidato do PT, no lugar de Dilma.

    Ora, se o ex-presidente descartou oficialmente qualquer possibilidade de retorno ao palácio do Planalto, não havia motivo para o Datafolha colher a opinião dos eleitores sobre um cenário alternativo.

    Que Lula trabalha diuturnamente contra a reeleição de Dilma Rousseff todos sabem, mesmo depois da recente declaração negando o fato, mas essa novidade na pesquisa do Datafolha tem duas interpretações:

    ou o ex-presidente continua de olho no principal gabinete do Palácio do Planalto ou o instituto de pesquisa abusou do non sense.

    De uma forma ou de outra, a inserção do nome de Lula em um dos cenários da pesquisa foi um ato de deselegância com Dilma e um sonoro desrespeito à democracia, uma vez que as outras pré-candidaturas já estão definidas.

    O máximo que se pode concluir é que o PT fomentará esse jogo duplo por mais algumas semanas, sendo que ao final pedirá à sua militância que despeje voto em Dilma.

    Até 30 de junho, quando a candidatura petista será oficializada, o Partido dos Trabalhadores poderá manter essa estratégia rasteira e covarde, em Lula aparece como vilão e Dilma faz o papel de vítima.

    Lula sabe que a essa altura, com a economia descontrolada e os escândalos de corrupção brotando aqui e acolá, assumir o lugar de Dilma na corrida presidencial seria um enorme tiro no pé, pois nem mesmo seus discursos embusteiros seriam capazes de driblar os efeitos colaterais da crise.

    Publicado por jagostinho @ 15:17



Os comentários NÃO representam a opinião do Blog do Jota Agostinho. A responsabilidade é EXCLUSIVA do autor da mensagem, sujeito à legislação brasileira.

Deixe um comentário

Por favor, atenção: A moderação de comentário está ativa e pode atrasar a exibição de seu comentário. Não há necessidade de reenviar o comentário.