Publicidade


      Red Apple Cosméticos

      CPV - Centro Paranaense da Visão

      Hospital Cardiológico Costantini

      Hotel Carimã

Twitter @blogdojota


  • 21maio

    UCHO.INFO

    alberto_youssef_01No momento em que questionou o ministro Teori Zavascki sobre o pedido de envio do processo da Operação Lava-jato para o Supremo Tribunal Federal, o juiz Sérgio Moro foi acusado por alguns advogados de estar desafiando a Corte Suprema.

    A decisão de Zavascki não apenas requeria o envio do processo ao STF, mas colocava em liberdade os acusados de envolvimento no criminoso esquema que funcionou sob o comando do doleiro.

    Não precisou de muito tempo para que a ilação erguida pelos causídicos exibisse sua musculatura alimentada pela ilógica.

    Se por um lado o juízo Moro desempenhou um papel brilhante à frente do processo, assim como fizeram os integrantes do Ministério Público Federal e da Polícia Federal, por outro o ministro Teori Zavascki caiu na vala da maledicência.

    Isso porque o magistrado decidiu rever sua decisão e manter preso o doleiro Youssef e outros dez acusados de participação no esquema.

    Apenas Paulo Roberto Costa, ex-diretor da Petrobras, continua em liberdade, que já deveria ter sido revogada.

    O bambolê jurídico protagonizado por Zavascki não foi bem recebido pela opinião pública e também no meio jurídico.

    Criminalistas não reconhecem publicamente a lambança, mas nos bastidores afirmam sem pestanejar que foi um equívoco.

    Se a manutenção da prisão dos outros acusados se deu porque há por trás de todo o caso pessoas envolvidas em uma rede internacional de tráfico de drogas, Paulo Roberto Costa não deveria estar em liberdade.

    O que só aconteceu porque o ex-diretor da Petrobras sabe muito além do que os palacianos gostariam.

    Acontece que Costa vinha apresentado sinais de depressão, o que poderia leva-lo com mais facilidade a uma delação premiada, acordo que minimizaria a situação de suas duas filhas e genros, todos investigados pela PF.

    Alguns leitores criticaram o ucho.info pelo fato de ter reprovado a decisão de Zavascki, que mudou de idéia e manteve a soltura apenas de Paulo Roberto Costa.

    Ao determinar a suspensão dos processos e das investigações, inclusive aventando a possibilidade de anular os procedimentos investigatórios, em breve o ministro será obrigado a colocar em liberdade os principais envolvidos no bilionário escândalo de corrupção, que começou em Londrina com as estripulias político-financeiras do finado José Janene. Isso porque sem prova não há como manter alguém na prisão.

    Ademais, os advogados dos deputados federais André Vargas e Luiz Argôlo, flagrados pela PF em conversas com Youssef, já arguiram a incompetência da Justiça Federal, em Curitiba, de conduzir o processo, uma vez que os parlamentares gozam da prerrogativa de foro e por isso devem ser processados apenas pelo Supremo.

    Por si só esse detalhe pode levar toda a investigação à nulidade. O que é um enorme desperdício se considerado o fato de que o Brasil precisa urgentemente ser passado a limpo.

    No caso de esse cenário se confirmar, o processo será considerado nulo e os presos serão obrigatoriamente colocados em liberdade, mesmo que alguns tenham envolvimento com o tráfico transnacional de drogas, como destacou o juiz Sérgio Moro.

    Se as provas colhidas pela Polícia Federal forem consideradas inválidas, os integrantes da quadrilha serão considerados inocentes, pelo menos em relação ao caso, e terão de ser alvo de nova investigação.

    Em suma, a complexidade proposital da legislação brasileira colocará tudo por terra, pois a ordem no Parlamento, no momento da feitura das leis, é proteger os marginais que se escondem atrás de mandatos eletivos e seus apaniguados.

    Publicado por jagostinho @ 12:11



Os comentários NÃO representam a opinião do Blog do Jota Agostinho. A responsabilidade é EXCLUSIVA do autor da mensagem, sujeito à legislação brasileira.

Deixe um comentário

Por favor, atenção: A moderação de comentário está ativa e pode atrasar a exibição de seu comentário. Não há necessidade de reenviar o comentário.