Publicidade


      Red Apple Cosméticos

      CPV - Centro Paranaense da Visão

      Hospital Cardiológico Costantini

      Hotel Carimã

Twitter @blogdojota


  • 22maio

    repassando6

    COLUNA DE CELSO NASCIMENTO/GAZETA DO POVO

    Prepare-se para o susto: a sua conta de luz poderá subir em 30% a partir de 24 junho.

    Esse reajuste está sendo pedido pela Copel à Agência Nacional de Energia Elétrica (Aneel), segundo confirmou o presidente da companhia, Lindolfo Zimmer, em entrevista que o jornal Valor Econômico, de São Paulo, publicou na segunda-feira.

    De acordo com o levantamento de consultorias que acompanham o setor, o aumento das tarifas da Copel será o maior dentre todas as distribuidoras do país.

    E vai atingir não apenas o consumidor doméstico comum, mas causar forte impacto no setor industrial, altamente dependente de energia barata.

    Por que aumento tão grande, assim de repente? Aí, em linguagem esotérica, inacessível aos simples mortais, o presidente da Copel joga a culpa em fatores externos, dentre os quais o atraso na construção de algumas hidrelétricas no país (Jirau, por exemplo) e de usinas térmicas que nem saíram do papel.

    Em razão da baixa oferta (deduz-se da entrevista), a energia ficou mais cara.

    E para cumprir seus contratos de fornecimento, a Copel teve de comprar energia de terceiros, em leilões, a preços astronômicos, e a vender essa mesma energia a preços muito mais baixos.

    A culpa, pelo jeito, envolve também São Pedro, que negou ao Brasil a quantidade necessária de chuvas para manter as hidrelétricas em produção plena.

    São Pedro e Dilma

    Fora São Pedro, a culpa chega à presidente Dilma Rousseff, que em 2012 baixou medida provisória que alterava o regime de concessões de usinas já amortizadas.

    No caso do Paraná, por exemplo, a medida atingiria a mais emblemática obra de engenharia do setor, a Hidrelétrica Parigot de Souza.

    O Paraná não quis aderir à MP, assim como São Paulo e Minas Gerais. O objetivo da medida era reduzir os preços médios da energia pagos pelo consumidor.

    Mas a coisa é mais complicada. Tão complicada que fica muito difícil entender a necessidade de tão exorbitante aumento solicitado logo após a Copel ter divulgado balanço que demonstra ter obtido no trimestre passado o maior lucro de sua história, R$ 583 milhões, 46,3% superior ao do exercício anterior.

    “Esse foi o melhor resultado da nossa história, em 60 anos”, comemorou Zimmer na entrevista. Ainda assim faz mais uma previsão catastrófica do presidente: no ano que vem, a Copel será forçada a aumentar de novo a energia em índice de dois dígitos.

    Paradoxo

    Logo, trata-se de um paradoxo que nem mesmo um experiente ex-diretor da Copel, que fez carreira na empresa, soube desvendar ao ser consultado pela coluna.

    A fonte estranhou: “No ano passado, o governador Beto Richa adiou um reajuste de 4,6% e agora acha que precisa de 30%?”, indagou.

    Mas ele lembra: a recusa do governo estadual de subir a tarifa no ano passado se deu durante o calor das manifestações que levaram multidões às ruas em junho.

    Portanto, houve lá, no ano passado, uma motivação política para não subir a tarifa. Mas este ano tem eleição e o governador é candidato a permanecer no cargo.

    Assim, propor agora, às vésperas da eleição, um reajuste muito maior, seria colocar em perigo o seu projeto reeleitoral.

    Política em jogo

    Candidata do PT ao governo, a senadora Gleisi Hoffmann – que era chefe da Casa Civil na época em que foi baixada a medida provisória contestada por Richa – percebeu logo a politização do tema.

    E já na manhã de ontem, tão logo soube da pretensão do governo de aumentar a luz, já dava entrevistas a emissoras de rádio de Curitiba.

    Segundo ela, o reajuste é “injustificável”: o alto preço da energia praticado atualmente é meramente conjuntural, causado pela falta de chuvas, o que obrigou a entrada em operação das usinas térmicas, cuja produção é muito mais cara.

    Para Gleisi, trata-se de uma situação passageira e que deve ser corrigida naturalmente com a normalização do regime de chuvas.

    Ela entende que é um despropósito prever a necessidade de reajuste de dois dígitos em 2015 sem antes saber como a meteorologia se comportará.

    Talvez a resposta (política) do governo venha logo após a decisão técnica da Aneel de conceder o aumento de 30% – o que pode ocorrer no máximo até a semana que vem.

    E a resposta seria não implementar o reajuste cheio, mas quem sabe só de uns 15% ou 20%… Não seria uma oportuna “bondade” oferecida aos eleitores?

    Publicado por jagostinho @ 08:21



Os comentários NÃO representam a opinião do Blog do Jota Agostinho. A responsabilidade é EXCLUSIVA do autor da mensagem, sujeito à legislação brasileira.

Deixe um comentário

Por favor, atenção: A moderação de comentário está ativa e pode atrasar a exibição de seu comentário. Não há necessidade de reenviar o comentário.