Publicidade


      Red Apple Cosméticos

      CPV - Centro Paranaense da Visão

      Hospital Cardiológico Costantini

      Hotel Carimã

Twitter @blogdojota


  • 01jul

    TOSTÃOTOSTÃO, médico e ex-jogador, é um dos heróis da conquista da Copa do Mundo de 1970. Afastou-se dos campos devido ao agravamento de um problema de descolamento da retina. Como comentarista esportivo, colaborou com a TV Bandeirantes e com a ESPN Brasil. 

    Há um consenso, mesmo entre os que não entendem de futebol, que a seleção brasileira não tem meio-campo. Tem, mas só para marcar.

    Se o Brasil for campeão, a turma do oba-oba vai dizer que é uma estratégia revolucionária de Felipão.Não há meio-campo porque, além de faltar um excepcional armador, Luiz Gustavo joga próximo aos zagueiros, Neymar próximo a Fred e Oscar e Hulk encostados à lateral.

    Sobra Fernandinho (ou qualquer outro) isolado, como um Robson Crusoé, olhando para o alto, para ver a bola passar.

    Poderia ser melhor com três no meio-campo e três na frente. Hulk foi o melhor atacante contra o Chile. Ele não pode sair.

    Como era esperado, a onda é dizer que o problema maior da seleção é emocional, que os jogadores não suportam a pressão e que choram demais, como se o choro fosse incompatível com a razão e a lucidez.

    Penso o contrário. O que salva a seleção é o envolvimento emocional dos jogadores, empurrados pela torcida e pela pressão de jogar em casa.

    Evidentemente, em algum momento, acontece uma exagerada reação emocional. É inevitável. Aí, tem de entrar Felipão, com a ajuda da psicóloga.

    Vem aí a Colômbia. Parece que James Rodríguez é o Pelé ou o Messi ou o Cristiano Ronaldo ou o Neymar ou o Robben. Eu o vi jogar, várias vezes, pelo Porto, pelo Monaco e pela seleção colombiana.

    Ele atuou bem, é muito habilidoso, criativo, uma promessa de craque. Na Copa, tem brilhado em lances isolados.

    Na maior parte do jogo, aparece pouco. Ainda é cedo para avaliar seu talento.

    Já Cuadrado, uma mistura de volante, meia e atacante, joga bem durante todas as partidas.

    Como James Rodríguez atua pelo centro, da intermediária para o gol, não será tão difícil marcá-lo.

    Quem mais me preocupa é Cuadrado.

    Contra o Brasil, no último amistoso, ele fez um gol e infernizou pela direita. 

    Publicado por jagostinho @ 12:28



Os comentários NÃO representam a opinião do Blog do Jota Agostinho. A responsabilidade é EXCLUSIVA do autor da mensagem, sujeito à legislação brasileira.

Uma resposta

WP_Cloudy
  • Antonio Disse:

    Boa tarde, na copa de 70 tinha quatro camisas 10 que faziam a diferença! Uma delas era o Pelé, hoje o que vemos, alguém usando a camisa 10 e tentando fazer a diferença. O futebol ficou chato, muito dinheiro e pouco espetáculo, é de chorar. Um abraço

Deixe um comentário

Por favor, atenção: A moderação de comentário está ativa e pode atrasar a exibição de seu comentário. Não há necessidade de reenviar o comentário.