Publicidade


      Red Apple Cosméticos

      CPV - Centro Paranaense da Visão

      Hospital Cardiológico Costantini

      Hotel Carimã

Twitter @blogdojota


  • 04jul

    UOL/FUTEBOL

    DAVI 33

    Os seis dias entre a partida das oitavas de final contra o Chile e a das quartas contra a Colômbia foram pautados praticamente por um só assunto para a seleção brasileira: o estado psicológico dos jogadores.

    Se alguns se emocionaram durante a disputa de pênaltis, e outros durante o hino nacional à capela, houve quem usasse isso para acusar a equipe de despreparo emocional.

    Pois bem: Luiz Felipe Scolari e Neymar falaram sobre isso em suas entrevistas coletivas, o resto foi esquecido e o aproveitou para entrar totalmente mudado para o duelo com a Colômbia.

    Resultado? Vitória por 2 a 1 e a vaga nas semifinais do Mundial que sedia. Será a primeira semifinal do Brasil desde 2002.

    E o gols do triunfo não poderiam ser mais simbólicos: o 1°, de Thiago Silva, logo no início do jogo, do capitão que assumiu que não queria bater pênalti contra o Chile, que sentou em uma bola e, emocionado, chorou;

    e o 2°, de David Luiz, o provável capitão da semifinal, já que Thiago está suspenso (Júlio César também é candidato), em linda cobrança de falta.

    Se redimiram, se é que essa é a palavra para justificar um momento de emoção, e não de fraqueza, como aquele contra o Chile.

    Na próxima terça-feira, Brasil e Alemanha duelarão pela segunda vez na história das Copas, em Belo Horizonte. Vale a vaga para a tão sonhada final, para apagar qualquer maldição que possa existir desde 1950.

    Fases do jogo: O Brasil entrou pressionando a Colômbia no campo de defesa rival, lembrando a postura apresentada na última quarta de final disputada pela seleção – contra a Holanda, em 2010.

    A mesma velocidade na saída de jogo – principalmente com Fernandinho, destaque do meio campo – e ótimo postura defensiva, tanto com David Luiz como com Thiago Silva, que souberam cobrir o espaço dado por Maicon na direita – muito ofensivo, o lateral que substituiu Daniel Alves não se apresentou bem no setor defensivo na primeira metade do jogo.

    O resultado foi o gol de Thiago Silva, logo aos 6 minutos, aproveitando bola que passou por toda a defesa colombiana em escanteio cobrado por Neymar.

    Só que, diferentemente de 2010, o Brasil não esmoreceu na segunda etapa. O ritmo, é claro, foi diminuído. Mas não com desespero ou erros, e sim com cadência.

    A Colômbia não conseguiu fazer a bola chegar em James Rodriguez e Cuadrado, no meio, muito menos a seus atacantes. E assim o Brasil aproveitou que os colombianos optavam por matar os ataques rivais com faltas para aumentar o placar assim: David Luiz cobrou colocado, no ângulo esquerdo de Ospina, que tocou na bola, mas sem força para afastá-la. 

    Claro, não faltou drama: James Rodriguez saiu na cara de Júlio César aos 31 minutos de jogo e foi derrubado. Cobrou o pênalti que sofreu muito bem, rasteiro, e diminuiu.

    Foi a deixa para que a Colômbia pressionasse. E para que a zaga brasileira se destacasse atrás como fez na frente. A bola não mais tocou as redes e o Brasil está entre os quatro melhores do mundo.

    O melhor: Fernandinho – O volante que ganhou a vaga de titular para a fase de mata-mata da Copa justificou mais uma vez a escolha de Felipão.

    Na defesa, Fernandinho fez sua parte e a de Paulinho (que substituiu Luiz Gustavo, suspenso). diminuindo os espaços de Cuadrado e James Rodriguez e dificultando qualquer chegada colombiana.

    No ataque, foi a válvula de escape do Brasil, levando a bola para Neymar e Hulk, já que Oscar, novamente, teve atuação fraca, sumido no jogo.

    Thiago Silva também merece destaque: teve boa atuação na zaga para somar ao gol marcado – o problema é que, em lance infantil, se colocou entre o goleiro Ospina e a bola durante reposição colombiana e levou amarelo, que suspende o defensor da semifinal.

    O pior: Cuadrado – O meia colombiano foi anulado por Fernandinho. Diferentemente das chances que teve contra os três rivais da primeira fase e contra o Uruguai, nas oitavas, Cuadrado não achou nenhum passe para seus companheiros atacantes ou mesmo para James Rodriguez.

    Não à toa, quando a Colômbia diminuiu o placar e tentava pressionar o Brasil, foi ele o escolhido para sair para a entrada do meia ofensivo Quintero.

    Chave do jogo: Os defensores brasileiros. Thiago Silva e David Luiz tiveram ótimas atuações na defesa e, para substituir a inoperância de Oscar e Fred, e a fraca atuação de Neymar, foram ao ataque para dar a vaga à seleção.

    Thiago Silva mostrou que tem oportunismo, já que tocou a bola para o gol colombiano após quatro zagueiros rivais deixarem passar. Já David Luiz mostrou talento com a bola no pé: cobrança espetacular de falta, no ângulo.

    Toque dos técnicos: Felipão ‘celebrou’ os gols de seus zagueiros colocando mais jogadores para ajudá-los.

    As três substituições que fez foram para a entrada de quem se postaria à frente da defesa para protegê-los: Hernanes, Ramires e Henrique entraram.

    A opção defensiva ficou clara quando Neymar sentiu dores nas costas, aos 41 minutos da segunda etapa, e foi Henrique o escolhido para entrar, deixando Fred e Oscar sozinhos no campo ofensivo.

    Para lembrar:

    James Rodriguez, um dos melhores jogadores da Copa até as quartas de final – e artilheiro, com seis gols -, vive uma maldição particular: ele nasceu no dia 12 de julho de 1991, um dia antes da última vitória colombiana sobre o Brasil (2 a 0 pela Copa América). Não conseguiu quebrá-la em Fortaleza.

    Com a classificação, o Brasil evitou igualar seu recorde de Copas seguidas sem aparecer entre os quatro melhores: isso só aconteceu uma vez, entre as Copas de 1982 e 1990.

    O gol de Thiago Silva foi o primeiro de um capitão da seleção em Copas desde Raí, em 1994 – o meia começou a copa como titular e capitão, perdendo depois a vaga no time para Mazinho e a faixa para Dunga.

    Dunga, em 1994 e 1998, Cafu, em 2002 e 2006, e Lúcio, em 2010, não marcaram usando a braçadeira.

    BRASIL 2 X 1 COLÔMBIA

    Data: 4 de julho de 2014
    Horário: 17h00 (de Brasília)
    Local: Castelão, em Fortaleza (CE)
    Árbitro: Carlos Velasco Carballo (ESP)
    Assistentes: Roverto Alonso Fernandez (ESP) e Juan Yuste (ESP)
    Cartões amarelos: Thiago Silva, aos 17 min., Júlio César, aos 31 min. do 2°t (BRA); James Rodriguez, aos 21 min., Yepes, aos 27 min. do 2°t (COL)
    Gols: Thiago Silva, aos 6 min. do 1°t, David Luiz, aos 23 min. do 2°t (BRA); James Rodriguez, de pênalti, aos 34 min. do 2°t (COL)

    BRASIL: Júlio César; Maicon, Thiago Silva, David Luiz e Marcelo; Fernandinho, Paulinho (Hernanes, aos 40 min. do 2°t) e Oscar; Neymar (Henrique, aos 42 min. do 2°t), Hulk (Ramires, aos 37 min. do 2°t) e Fred
    Técnico: Luiz Felipe Scolari

    COLÔMBIA:  Ospina; Zuñiga, Zapata, Yepes e Armero; Sanchez, Guarín, James Rodriguez e Cuadrado (Quintero, aos 35 min. do 2°t); Ibarbo (Adrián Ramos, no intervalo) e Teófilo Gutierrez (Bacca, aos 27 min. do 2°t)
    Técnico: José Pekerman

    Publicado por jagostinho @ 19:23



Os comentários NÃO representam a opinião do Blog do Jota Agostinho. A responsabilidade é EXCLUSIVA do autor da mensagem, sujeito à legislação brasileira.

Deixe um comentário

Por favor, atenção: A moderação de comentário está ativa e pode atrasar a exibição de seu comentário. Não há necessidade de reenviar o comentário.