Publicidade


      Red Apple Cosméticos

      CPV - Centro Paranaense da Visão

      Hospital Cardiológico Costantini

      Hotel Carimã

Twitter @blogdojota


  • 08jul

    elianeELIANE CANTANHÊDE, jornalista, é colunista  da Folha. É também comentarista do telejornal ‘GloboNews em Pauta’ 

    O jogo de hoje, entre Brasil e Alemanha, certamente será um dos mais tensos da Copa 2014.

    Nos bares e nos lares, há duas perguntas que não querem calar. Uma é se a seleção, sem Neymar (e, de quebra, sem Thiago Silva nesta terça), tem fôlego para ser campeã.

    Outra é: se o Brasil levar a taça, Dilma se reelege e, se não levar, ela perde?

    A equipe de Felipão não chegava a ser maravilhosa e emocionante nem com Neymar.

    Para os que ainda têm alguma dúvida, basta rever o zero a zero contra o México.

    Há, porém, algo na alma dos campeões (de qualquer área ou esporte): a capacidade de se suplantar, superar desafios, surpreender na adversidade.

    A torcida reza por isso, o que se torna ainda mais forte diante da injustiça, da covardia contra o herói do time.

    E, afinal, a esperança é a última que morre.

    Quanto ao efeito político-eleitoral da Copa, cada um fala o que quer –ou melhor, cada um torce de acordo com seu time.

    E não há certezas. Muito já foi dito sobre vitórias em campo que não reverteram em êxitos nas urnas, mas, em jogos e em política, cada caso é um caso.

    Genericamente, bem-estar favorece o continuísmo, insatisfação trabalha a favor de mudança.

    Se o Brasil levar a taça, isso tende a acalmar parte daqueles mais de 70% que querem mudança e, assim, melhorar as condições da reeleição.

    Mas pode ser uma parte pequena –e pode ser momentâneo.

    É óbvio que Dilma e o Planalto acendem velas para o Brasil ser campeão e aumentar a sensação de bem–estar geral, em especial agora que a presidente finalmente anunciou que irá entregar a taça.

    Já Aécio (que adora futebol) e Eduardo Campos jamais poderiam ser contra a vitória do Brasil, mas devem estar torcendo para a Copa terminar logo e começar um outro campeonato: o dos erros da economia.

    Crescimento em torno de 1%, com más notícias todo dia, não leva taça nem garante reeleição de ninguém. 

    Publicado por jagostinho @ 10:43



Os comentários NÃO representam a opinião do Blog do Jota Agostinho. A responsabilidade é EXCLUSIVA do autor da mensagem, sujeito à legislação brasileira.

Deixe um comentário

Por favor, atenção: A moderação de comentário está ativa e pode atrasar a exibição de seu comentário. Não há necessidade de reenviar o comentário.