Publicidade


      Red Apple Cosméticos

      CPV - Centro Paranaense da Visão

      Hospital Cardiológico Costantini

      Hotel Carimã

Twitter @blogdojota


  • 15ago

    FOLHA.COM

    Principal herdeira do espólio político de Eduardo Campos, sua mulher Renata quer, segundo amigos e aliados, ver Marina Silva representando a família na cédula eleitoral como cabeça de chapa.

    O único irmão de Eduardo, Antônio Campos, foi o primeiro integrante da família a se pronunciar publicamente a favor de Marina.

    “Tenho convicção [de] que essa seria a vontade de Eduardo”, disse em nota divulgada nesta quinta (14), um dia após a morte do presidenciável do PSB em acidente aéreo.

    Joel Silva – 13.ago.2014/Folhapress
    Marina Silva, na entrevista em que falou da morte de Eduardo Campos
    Marina Silva, na entrevista em que falou da morte de Eduardo Campos

    Além da família, dirigentes de todos os outros cinco partidos da coligação comandada pelo PSB disseram à Folha defender a indicação da ex-senadora, vice na chapa de Campos após ter anunciado em outubro de 2013 a adesão ao projeto presidencial do então governador de Pernambuco.

    Editoria de Arte/Folhapress

    No PSB, o nome de Marina ainda enfrenta resistências.

    A Folha apurou que a decisão sobre quem substituirá o nome de Campos passará pela bênção de Renata Campos, ou “dona Renata”, como o marido a chamava.

    Desde que recebeu a notícia da morte do marido, Renata não fala de futuro eleitoral, apenas pratica o luto ao lado da família e da romaria de pessoas que foram à sua casa, no bairro recifense de Dois Irmãos.

    Renata, porém, não quer ver o trabalho de Dudu, como o chamava, perdido.

    Referência emocional do marido, que a agradecia publicamente pelo apoio, ela exercia papel maior que o de mulher de governante.

    Tinha influência e palpitava em todas as definições tomadas pelo homem por quem se apaixonou desde a adolescência.

    Eduardo Campos reverenciava a mulher. Certa vez, diante de um pedido de entrevista com a potencial primeira-dama, respondeu: “Ela é um p… quadro, não uma peça auxiliar. Entende de política e tem muita sensibilidade”.

    Assim como o marido, a figura de Renata é reverenciada no PSB justamente por seu papel ao lado de Campos.

    Mas ninguém aposta, por exemplo, na possibilidade de uma candidatura, na vaga de vice por exemplo, embora seja unânime em Pernambuco a avaliação de que Renata teria força eleitoral.

    Amigos e políticos íntimos que visitaram a família desde a notícia do acidente afirmam que a escolha de Marina como titular do partido seria chancelada por Campos.

    A união do PSB em torno de Marina será um desafio, já que a aliança dos dois estava mais cristalizada entre eles do que entre outros dirigentes.

    COLIGAÇÃO

    Marina tem se recusado a falar com aliados sobre o futuro político, sob o argumento de que a hora é de luto.

    Mas em seu entorno a expectativa é a de que seja seguido o chamado “caminho natural”.

    “Eduardo Campos construiu um legado programático junto com a Marina, e nós temos que tocar esse legado. É o que Eduardo gostaríamos que fizéssemos e é o que faremos após chorarmos e nos solidarizarmos com os familiares”, afirmou o ex-deputado Walter Feldman, um dos principais aliados de Marina.

    Dirigentes dos outros cinco partidos que compõem a aliança disseram ser favoráveis à escolha da ex-senadora, entre eles o PPS, o maior aliado do PSB na coligação.

    “Vamos caminhar para continuar o projeto do Eduardo. Se for ela [Marina], ótimo, o PPS não vai criar obstáculo”, disse o presidente nacional do partido, Roberto Freire.

    Os dirigentes das outras quatro legendas, todas nanicas, afirmaram que defendem o nome da ex-senadora.

    Já a questão do vice na possível chapa de Marina ainda é uma questão em aberto.

    Na lista de cotados estão, entre outros, o ex-deputado Maurício Rands (PSB), primo de Renata e coordenador do programa de governo da campanha, e o deputado federal Beto Albuquerque (RS).

    AS ALTERNATIVAS DE MARINA SILVA

    1 – Sair candidata à presidência pelo PSB
    Marina precisa ser aceita por quatro dos seis partidos da coligação -PSB, PPS, PHS, PRP, PPL e PSL. Nesse cenário, assume a cabeça de chapa e escolhe um candidato a vice de uma das seis siglas

    2 – Renunciar
    Marina abdica do posto de candidata e abre caminho para que o PSB escolha dois novos nomes para a corrida pela sucessão presidencial.

    3 – Apoiar um candidato extraoficialmente
    Marina pode sair da disputa e declarar apoio informal a algum candidato. Porém, não pode aparecer em material de campanha de nenhum partido que não seja o PSB.



    Publicado por jagostinho @ 08:21



Os comentários NÃO representam a opinião do Blog do Jota Agostinho. A responsabilidade é EXCLUSIVA do autor da mensagem, sujeito à legislação brasileira.

Deixe um comentário

Por favor, atenção: A moderação de comentário está ativa e pode atrasar a exibição de seu comentário. Não há necessidade de reenviar o comentário.