Publicidade


      Red Apple Cosméticos

      CPV - Centro Paranaense da Visão

      Hospital Cardiológico Costantini

      Hotel Carimã

Twitter @blogdojota


  • 17ago

    KATIAKÁTIA ABREU –é senadora (PMDB-TO) e a principal líder da bancada ruralista no Congresso. Formada em psicologia.

    Para quem tinha ainda alguma fantasia sobre a ressurgência do comunismo em nosso tempo, travestido de “socialismo do século 21”, a frustração não poderia ser mais completa.

    O peso da realidade mais uma vez se impôs, como se pessoas e partidos políticos nada tivessem aprendido com as experiências soviética, do Leste Europeu, da China maoista e de outros países.

    A fantasia tornou-se o fantasma que assombra a América Latina e, infelizmente, certos partidos políticos entre nós.

    Cuba, farol dessa esquerda retrógrada, é um país empobrecido que, em seus melhores momentos, viveu somente da mesada da ex-União Soviética.Posteriormente, sua mesada foi substituída pelo petróleo barato enviado pelo ex-ditador Hugo Chávez.

    A falência econômica é manifesta, sendo acompanhada por uma feroz ditadura que nada concede em termos de liberdade de expressão, imprensa e circulação.

    Os direitos humanos são sistematicamente pisoteados nessa ilha, tornada uma prisão. Não deixa de surpreender que atraia, ainda, adeptos em nosso país. A única explicação residiria no atraso ideológico das agremiações brasileiras de esquerda.

    A Venezuela inovou em seu socialismo. Em vez da conquista violenta do poder, optou por eleições que têm como único objetivo subverter a democracia por meios democráticos.

    Conseguiu, dessa maneira, captar a simpatia dos comunistas/socialistas brasileiros, em falta de ideias e orientação.

    De resto, está seguindo a cartilha cubana e “socialista” em geral. O resultado salta à vista.

    A liberdade de imprensa está sendo sistematicamente aniquilada, a oposição é violentamente perseguida e adversários políticos são considerados inimigos a serem encarcerados.

    O Poder Judiciário torna-se uma pantomina a serviço do Poder Executivo. A economia está em frangalhos. A desorganização produtiva é total. Falta até papel higiênico. Só uma expressão pode nomear o que está ocorrendo: falência completa.

    A Argentina, em sua muito especial mescla de peronismo e bolivarianismo, está levando o populismo econômico a seu grau máximo de radicalização, acompanhado de severas restrições à liberdade de imprensa e dos meios de comunicação em geral.

    De grande parceiro econômico, tornou-se um empecilho à própria expansão da economia brasileira. Atualmente, o país encontra-se novamente em situação de calote, depois de uma negociação forçada de um calote anterior.

    Ou seja, fundos e credores que não seguiram essa imposição autoritária tiveram, agora, ganho de causa em um tribunal americano.

    Se a situação argentina já era ruim, ficou ainda pior. Não é a retórica populista que tirará nosso vizinho do poço.

    Ocorre, contudo, que esses vizinhos são membros do Mercosul e nossos parceiros em qualquer negociação bilateral que o Brasil faça ou planeje fazer. O Brasil está atado a países que estão se precipitando rumo ao abismo “socialista”.

    O comércio, que deveria ser o eixo-mor dessa associação, tornou-se completamente secundário, como se não fosse ele o seu objetivo central.

    As reuniões do Mercosul converteram-se em simples fóruns inúteis, palcos de agressivos discursos antieconomia de mercado ou anti-Estados Unidos, segundo a cartilha anti-imperialista.

    O foco econômico é, hoje, político, sobretudo voltado para a defesa das posições argentinas e venezuelanas, conforme os delírios ideológicos que lhes são característicos.

    Não é mais possível o país atrelar o seu futuro a um Mercosul populista, pois teremos apenas o fracasso coletivo daquilo que já é a falência individual desses países.

    Urge que o(a) próximo(a) presidente da República reveja as orientações que têm presidido a nossa política externa.

    Entre elas, impõe-se que essa entidade volte a ser um mercado comum, comercial, e não uma associação aduaneira.

    Se nem para o comércio serve plenamente, dadas as restrições existentes em nossos vizinhos, como esses Estados podem agir como um bloco?

    Não estaremos substituindo a realidade pela ficção ideológica? 

    Publicado por jagostinho @ 16:43



Os comentários NÃO representam a opinião do Blog do Jota Agostinho. A responsabilidade é EXCLUSIVA do autor da mensagem, sujeito à legislação brasileira.

Uma resposta

WP_Cloudy
  • Domicel de França Filho Disse:

    A fantasia do comunismo que a estrema direita pintou recentemente, seguida pelos partidos de centro, trata somente de um método de desqualificar os investimentos e a preocupação com os menos favorecidos. O centro e a direita querem apenas apoderar-se do governo, governo que tem a maioria.
    Sobre a argentina, diferentemente do que induz a pensar o texto, o problema econômico atual do País Parceiro, a Argentina é justamente pelo capital financeiro, cujos empréstimos tornam-se impagáveis.
    A ficção ideológica que trata é que a Argentina é tão somente populista. Mas descapitalizada e fechada ao crédito internacional, quem sabe o Banco dos BRICS iniciem com medidas de saneamento deste grande parceiro.
    Temos que defender sim nossos vizinhos, possuem um potencial muito grande na agricultura e pecuária, não seria importante também para a bancada ruralista?

Deixe um comentário

Por favor, atenção: A moderação de comentário está ativa e pode atrasar a exibição de seu comentário. Não há necessidade de reenviar o comentário.