Publicidade


      Red Apple Cosméticos

      CPV - Centro Paranaense da Visão

      Hospital Cardiológico Costantini

      Hotel Carimã

Twitter @blogdojota


  • 23ago

    BLOG DO JOSIAS DE SOUZA/UOL

    Há muito mais em jogo na delação prometida por Paulo Roberto Costa do que a simples prospecção dos podres que se acumulam nas profundezas da Petrobras, abaixo da câmara pré-moral.

    Se estiver falando sério, o ex-diretor da maior estatal do país está prestes a jogar as petromaracutaias no ventilador da sucessão presidencial de 2014.

    Uma novidade com potencial para sacudir o coreto da candidatura oficial, espalhando óleo queimado em suas vastas coligações.

    Preso em Curitiba, Paulinho, como Lula costumava chamá-lo, conversou nesta sexta-feira (22) com Beatriz Lessa da Fonseca Catta Preta, uma advogada especializada na costura de acordos de delação premiada, nos quais o réu abre seus segredos à Justiça em troca de uma redução da pena.

    Como se fosse pouco, o doleiro Alberto Youssef informou ao seu advogado, Antônio Figueiredo Basto, que cogita acelerar a velocidade da hélice do ventilador, aderindo à delação.

    Até aqui, o Planalto conseguiu deter o derramamento de óleo na pista da sucessão por meio da domesticação de duas CPIs no Congresso.

    Soltando a língua à vera, Paulo Costa vai mostrar os dentes da engrenagem que move a intermediação de interesses de empreiteiras e fornecedores da Petrobras e o pagamento de propinas a políticos.

    A implosão desse esquema parece inevitável, como inevitável foi o estouro das milionárias arcas do mensalão.

    A inevitabilidade do estrondo é proporcional à octanagem dos papéis colecionados pela Polícia Federal e pelo Ministério Público na Operação Lava Jato.

    Quebraram-se os sigilos de quase uma centena de contas bancárias. Apalparam-se mensagens eletrônicas de mais de três dezenas de celulares.

    Afora o papelório novo recolhido nesta sexta em batidas policiais feitas em 13 empresas, os investigadores já dispõem de mais de 80 mil documentos —o grosso ainda por analisar.

    O conteúdo é inflamável. Revela uma corrente com quatro elos. Numa ponta, os corruptores. Noutra, os corruptos. No meio, Paulo Roberto promovendo a integração dos extremos e Youssef lavando o dinheiro sujo que migra de uma ponta à outra.

    Parte dos papeis está codificada. O pedaço já elucidado resultou na abertura de oito processos contra 42 pessoas físicas e jurídicas.

    Como subproduto, correm na Câmara os pedidos de cassação dos mandatos de André Vargas (ex-PT-PR) e Luiz Argôlo (SD-BA).

    A colaboração de Paulo Costa —nesta segunda-feira vai-se saber se Youssef também abrirá o bico— será útil se servir para perfurar a camada de ficção que impede que as sondas da investigação alcancem as camadas mais profundas das maracutaias urdidas na Petrobras.

    Se funcionar, logo, logo será possível saber quem comprou quem, por quanto e como.

    Na noite desta sexta, um personagem otimista da investigação disse ao repórter ter fundadas razões para acreditar que Paulo Roberto será explícito.

    Nas suas palavras, a prisão produziu na alma do ex-diretor de Abastecimento da Petrobras um processo de ‘asfixia depressiva’.

    De resto, o personagem angustiou-se ao perceber que suas estripulias começaram a encrencar amigos e parentes.

    Entre eles uma filha e o marido dela.

    Funcionário de carreira da Petrobras, o engenheiro Paulo Costa foi alçado à diretoria da estatal graças a um câncer chamado “indicação política” —eufemismo utilizado para suavizar a licença que os governos concedem a certos servidores para subordinar o interesse público às conveniências político-privadas de políticos corruptos e logomarcas corruptoras.

    Nomeado sob Lula, em 2003, Paulo Roberto sobreviveu na diretoria de Abastecimento da Petrobras até 2012, já na gestão de Dilma Rousseff. Apadrinhou-o PP.

    Mas a longevidade aproximou-o também do PT e do PMDB, sócios majoritários do condomóinio governista. O personagem tocava as obras da refinaria Abreu e Lima, em Pernambuco.

    Trata-se do maior projeto em andamento na Petrobras. Iniciado em 2007 com orçamento de US$ 2 bilhões, o empreendimento já sorveu US$ 18,5 bilhões —em reais: R$ 42,2 bilhões.

    Suspeita-se que o relacionamento com Paulo Roberto tenha acomodado nos arredores do canteiro da obra dois tipos de políticos: os abertamente cínicos e os quer não conseguiram se conter.

    Os primeiros fizeram caixa dois eleitoral. Os outros engordaram o patrimônio pessoal.

    Dependendo da viscosidade do óleo que Paulinho borrifará no ventilador, o prejuízo de Pasadena vai parecer troco.

    E a cruz que a gestão Lula acomodou nos ombros de Dilma ficará mais pesada.

    Isso numa fase em que Aécio Neves prega a reestatização da Petrobras e Marina Silva corre por fora entoando o discurso da “nova política”, espécie de samba enredo da terceira via, para o eleitorado que bateu bumbo nas ruas por mudanças.

    Publicado por jagostinho @ 08:27



Os comentários NÃO representam a opinião do Blog do Jota Agostinho. A responsabilidade é EXCLUSIVA do autor da mensagem, sujeito à legislação brasileira.

Deixe um comentário

Por favor, atenção: A moderação de comentário está ativa e pode atrasar a exibição de seu comentário. Não há necessidade de reenviar o comentário.