Publicidade


      Red Apple Cosméticos

      CPV - Centro Paranaense da Visão

      Hospital Cardiológico Costantini

      Hotel Carimã

Twitter @blogdojota


  • 28ago

    A dúvida é se a situação de Aécio Neves é “difícil” ou “crítica”. Afora a nuance semântica, o mar não está para peixe e o ar eleitoral não está para tucano.

    Aécio contava em crescer a partir de agora, mas desabou um avião na cabeça de todo mundo, e ele, em vez de crescer, ou ao menos estabilizar por baixo, passou a cair.

    Num momento decisivo, isolou-se no terceiro lugar, assistindo à ida de Dilma e Marina para o segundo turno, com Marina disparando para a vitória.

    Acrescente-se a isso o quadro eleitoral em Minas, que é o coração da campanha e do discurso de Aécio: o PT enfrenta dificuldades por toda a parte, mas o candidato petista ao governo do Estado de Aécio, Fernando Pimentel, tem uma posição bastante confortável em relação ao tucano Pimenta da Veiga.

    Um segundo turno em Minas tende a favorecer o tucano, mas, por ora, Aécio está diante do pior dos mundos: a possibilidade de tirar o PSDB do segundo turno presidencial, pela primeira vez, e de perder no seu próprio reduto, onde se crê imbatível.

    Na reta final das campanhas, ondas, de um lado, e a percepção de derrota, de outro, são avassaladoras.

    A onda é Marina. A percepção de que pode não haver mais tempo de reverter o desastre atinge Aécio.

    Para ilustrar: no debate da Band, Marina só repetiu obviedades contra a polarização PT-PSDB e sobre “a nova política”; Dilma ficou acuada, com o mesmo blablablá de sempre sobre seus programas pontuais e batendo no adversário errado; Aécio saiu-se bem, botando o dedo nas feridas do governo e pegando o ponto fraco de Marina, a imprevisibilidade.

    Mas a mídia –a Folha, por exemplo– concentrou-se nas duas favoritas, mal deu bola para o tucano.

    Essa situação, “difícil” ou “crítica”, reacende uma velha acusação: Aécio lavou a mãos para os tucanos paulistas em 2002, 2006 e 2010. Quando entrasse, julgava, estaria virtualmente eleito. E já serão 16 anos fora do poder. Quantos mais? 

     
    eliane cantanhêdeELIANE CANTANHÊDE, jornalista, é colunista da Folha. É também comentarista do telejornal ‘GloboNews em Pauta’ .


    Publicado por jagostinho @ 12:11



Os comentários NÃO representam a opinião do Blog do Jota Agostinho. A responsabilidade é EXCLUSIVA do autor da mensagem, sujeito à legislação brasileira.

Deixe um comentário

Por favor, atenção: A moderação de comentário está ativa e pode atrasar a exibição de seu comentário. Não há necessidade de reenviar o comentário.