Publicidade


      Red Apple Cosméticos

      CPV - Centro Paranaense da Visão

      Hospital Cardiológico Costantini

      Hotel Carimã

Twitter @blogdojota


  • 10out

    GAZETA DO POVO/CAMILLE BROPP CARDOSO

    Foto:- Aniele Nascimento / Gazeta do Povo

    Aniele Nascimento / Gazeta do Povo / Aumento da demanda por ensino integral pesou na folha de custos das escolas, segundo o setor

    Aumento da demanda por ensino integral pesou na folha de custos das escolas, segundo o setor

    O reajuste das mensalidades para 2015 nas escolas particulares de Curitiba e região deve ficar acima da inflação acumulada nos últimos 12 meses até setembro – 6,75% no país e 7,13% na capital – e da expectativa do governo para 2014 – 6,20%.

    É o que aponta levantamento da Gazeta do Povo feito com cinco colégios privados que aceitaram revelar os seus índices de correção para o ano que vem – Medianeira, Adventista, Bagozzi, Novo Ateneu e Expoente.

    Em média, o reajuste nestas escolas será de 9,8%. Acima dos 9% de inflação nos últimos 12 meses medida pelo IBGE para o ramo de cursos regulares, que abrange de creches a pós-graduações e compõe o setor de educação.

    Entre os fatores que explicam a alta, segundo o Sindicato dos Estabelecimentos de Ensino Particular do Paraná (Sinepe-PR), está o dissídio dos professores particulares, que está em 7% anuais desde 2012.

    A tendência é que se mantenha acima da inflação também no acordo coletivo do próximo ano, que tem data-base em março. “As escolas não querem perder talentos [professores] para as concorrentes e esses profissionais são segurados com salário”, explica o presidente do Sinepe-PR, Jacir Venturi.

    Ele ressalta que a entidade não faz projeção de reajuste porque “o mercado é livre” e a mesma escola pode variar as correções de acordo com o tipo de ensino e até os turnos das aulas.

    Em contrapartida, as escolas argumentam que a competição contribui para segurar reajustes maiores. “Embora o mercado tenha crescido representativamente, está muito competitivo.

    As escolas temem ociosidade, algumas fecharam”, enumera o presidente do Grupo Expoente, Armindo Angerer. Por isso, algumas instituições, como o Bagozzi, mantiveram preços achatados nos últimos anos, optando por torná-los mais próximos do mercado gradualmente.

    “Desta forma, nossos valores a cada ano poderão sofrer reajuste um pouco acima da média do setor e da inflação, se estabilizando com o tempo”, diz o diretor administrativo do Bagozzi, Valdeci Melo.

    Segundo Venturi, as escolas estão atentas a um provável aumento da inadimplência em 2015. O índice tem se mantido em torno de 8% desde 2010. “Com o atual cenário econômico, é possível que cresça”, prevê.

    Outro fator que contou no cálculo é o aumento da demanda pelo ensino integral – que pede oferta de alimentação e mais funcionários –, além do aumento no número de aulas de contraturno e da necessidade de renovação tecnológica, que é tanto pedagógica quanto de recursos.

    Tradição

    A alta acima da inflação para a educação é uma constante. Em 2012, quando a inflação foi de 5,84% no país, os reajustes do setor chegaram a 7,78%.

    Já em 2013, a diferença foi entre 5,91% e 7,94%. Nos dois anos, o que alavancou os preços do segmento foram mesmo os serviços – cursos regulares e os “diversos”, que incluem idiomas e preparatórios.

    A situação vem se repetindo em 2014. Até setembro, o destaque do aumento de preços continuam os serviços, em especial educação infantil e ensino fundamental.

    Publicado por jagostinho @ 16:28



Os comentários NÃO representam a opinião do Blog do Jota Agostinho. A responsabilidade é EXCLUSIVA do autor da mensagem, sujeito à legislação brasileira.

Deixe um comentário

Por favor, atenção: A moderação de comentário está ativa e pode atrasar a exibição de seu comentário. Não há necessidade de reenviar o comentário.