Publicidade


      Red Apple Cosméticos

      CPV - Centro Paranaense da Visão

      Hospital Cardiológico Costantini

      Hotel Carimã

Twitter @blogdojota


  • 10out

    GAZETA DO POVO

    Foto:- Cynthia Goldsmith/EFE

    Cynthia Goldsmith/EFE / O vírus ebola matou 3.857 pessoas, segundo dados da OMS

    O vírus ebola matou 3.857 pessoas, segundo dados da OMS

    Autoridades sanitárias brasileiras investigam o primeiro caso suspeito de ebola no país. O caso foi comunicado na noite desta quinta-feira (9) pela Secretaria de Estado da Saúde do Paraná ao Ministério da Saúde.

    Informações preliminares indicam que o paciente, de 47 anos, veio de Conacre, capital da Guiné, com escala em Marrocos. O paciente foi encaminhado para um hospital de referência de Cascavel, no Oeste do Paraná, e material foi coletado para exames.

    A expectativa é a de que na sexta as amostras sejam enviadas para o Instituto Evandro Chagas, onde será feita a análise para confirmar se o paciente é ou não portador da doença.

    Por meio de nota oficial, a Secretaria de Estado da Saúde do Paraná (Sesa) informou que o homem chegou ao Brasil em 19 de setembro.

    Segundo a pasta, o paciente relatou que teve febre na quarta-feira e na manhã desta quinta-feira (9). A última informação, porém, foi de que “[…] até o início da noite, estava subfebril e não apresentava hemorragia, vômitos ou quaisquer outros sintomas. Está em bom estado geral e, mantido em isolamento total”, segundo a nota.

    A Sesa ressaltou ainda que o paciente será transferido para o Instituto Nacional de Infectologia Evandro Chagas, no Rio de Janeiro (RJ), de acordo com o protocolo de segurança. O instituto é referência nacional para casos de ebola.

    A transferência será feita pela Polícia Rodoviária Federal. A notícia ocorre no mesmo dia em que o Secretário de Vigilância em Saúde do Ministério da Saúde, Jarbas Barbosa, afirmou que, embora baixo, existia o risco de o Brasil registrar um caso da doença.

    Pela manhã, ele disse que o sistema de vigilância montado era adequado e que instituições de saúde estavam em treinamento constante para identificar casos suspeitos e para adotar as medidas de segurança necessárias, caso isso ocorresse.

    O mundo vive hoje a pior epidemia de ebola da história. Foram registrados 8.011 casos na Guiné, Libéria e Serra Leoa, com 3.857 mortes, de acordo com dados da Organização Mundial de Saúde.

    Nigéria, Senegal e Estados Unidos e Espanha apresentaram transmissões localizadas. Juntos, foram contabilizados nestes países 21 pacientes com a doença e 8 mortes. Transmitida por um vírus, a doença é fatal em cerca 65% dos casos.

    A infecção ocorre por meio do contato com sangue, fluidos corporais da pessoa infectada ou do animal doente, como macacos, capivaras e porcos-espinhos. Ao contrário de outras doenças, no entanto, a transmissão ocorre quando o paciente já apresenta os sintomas da infecção.

    Os principais são febre, fraqueza, dores abdominais, vômito e hemorragias. A incubação – período entre o contágio e a manifestação dos primeiros sintomas – pode variar entre 2 a 21 dias. Não há remédio específico para o ebola.

    Em agosto, o Centro de Operações de Emergência em Saúde do Governo Federal acionou o nível dois de emergência, o penúltimo na escala de gravidade, que permite o deslocamento de equipes federais para regiões com suspeita da doença no País sem a necessidade de autorização dos governos locais.

    Desde que a Organização Mundial de Saúde decretou emergência, o Brasil adotou um conjunto de medidas para prevenir a transmissão e permitir a rápida identificação de um caso suspeito da doença, com isolamento e tratamento.

    O grupo Executivo Interministerial para Emergências em Saúde Pública foi convocado, videoconferências semanais com todos os Estados são realizadas, simulações foram feitas em hospitais de referência e em aeroportos.

    De acordo com o plano traçado, casos suspeitos devem ser encaminhados para hospitais de referência. Esses hospitais, no entanto, fazem apenas a primeira triagem.

    Casos confirmados, de acordo com a estratégia, devem ser enviados para dois hospitais: Instituto Nacional de Infectologia no Rio e Hospital Emílio Ribas, onde os pacientes ficam internados.

    O teste de diagnóstico para comprovação da infecção é feito no Instituto Evandro Chagas.

    Publicado por jagostinho @ 18:53



Os comentários NÃO representam a opinião do Blog do Jota Agostinho. A responsabilidade é EXCLUSIVA do autor da mensagem, sujeito à legislação brasileira.

Deixe um comentário

Por favor, atenção: A moderação de comentário está ativa e pode atrasar a exibição de seu comentário. Não há necessidade de reenviar o comentário.