Publicidade


      Red Apple Cosméticos

      CPV - Centro Paranaense da Visão

      Hospital Cardiológico Costantini

      Hotel Carimã

Twitter @blogdojota


  • 12out

    FOLHA.COM

    Em disputa acirrada pela reeleição, a presidente Dilma Rousseff (PT) ficará sem apoio integral do PMDB, principal aliado do governo federal, em mais de um terço dos Estados no segundo turno.

    Adversário do PT nas urnas, Aécio Neves (PSDB) tem apoio oficial do PMDB em seis Estados (AC, BA, ES, PE, RR e RS) e deverá contar com o empenho de setores peemedebistas em ao menos outros quatro (PI, MS, RJ e SC).

    Somados, esses Estados reúnem cerca de 35% do eleitorado nacional e incluem os dois redutos onde Marina Silva (PSB) venceu no primeiro turno: Acre e Pernambuco. Na Bahia, o ex-ministro de Lula Geddel Vieira Lima lidera o PMDB no apoio a Aécio.

    Derrotado na disputa ao Senado, diz contar com engajamento de aliados que evitavam defender o tucano no primeiro turno temendo perder votos diante da popularidade de Dilma no Nordeste.

    “Agora não vai ter mais esse receio. Todo mundo vai entrar na campanha do Aécio, sem dissidência”, disse.

    No primeiro turno, Aécio teve apenas 18% dos votos na Bahia, contra 61% de Dilma.

    No Rio Grande do Sul, há tensão entre alas pró-Dilma e pró-Aécio, mas o candidato do partido ao governo, José Ivo Sartori, que enfrenta o PT do governador Tarso Genro, fechou com o tucano.

      Editoria de Arte/Folhapress

    DISSIDÊNCIAS

    Em alguns Estados onde peemedebistas prometem apoio oficial a Dilma, a presidente terá dificuldades para cativar militantes da sigla.

    No Rio, terceiro maior colégio eleitoral do país, a sigla, que tenta reeleger Luiz Fernando Pezão, está dividida.

    O candidato e líderes como o prefeito do Rio, Eduardo Paes, defendem Dilma e disputam espaço com a ala aecista do presidente estadual da sigla, Jorge Picciani.

    Em Santa Catarina, o PMDB é historicamente antipetista, e até prefere fazer campanha longe da sigla, ainda que para Dilma.

    “Não queremos nos misturar com eles”, diz o vice-governador reeleito de SC, Eduardo Pinho Moreira, que comanda o PMDB local. Ele promete apoio à presidente, mas admite dissidências.

    A falta de consenso levou o PMDB de MS e do PI a liberar as bases no segundo turno. Apesar de alguns líderes apoiarem Dilma, os candidatos do partido ao governo derrotados no 1º turno declararam voto em Aécio.

    Para o líder do PMDB na Câmara, Eduardo Cunha, a divisão reflete o resultado da convenção do partido, quando a chapa Dilma-Temer foi aprovada por 59%.

    “Ali ficou claro que o partido estava liberado [de se engajar na campanha de Dilma]”. 

    Publicado por jagostinho @ 18:53



Os comentários NÃO representam a opinião do Blog do Jota Agostinho. A responsabilidade é EXCLUSIVA do autor da mensagem, sujeito à legislação brasileira.

Deixe um comentário

Por favor, atenção: A moderação de comentário está ativa e pode atrasar a exibição de seu comentário. Não há necessidade de reenviar o comentário.